23 agosto, 2017

A Técnica do Sapo: Meditando com crianças

Almofada Sapinho



Normalmente não vemos crianças nas salas de meditação junto com os adultos. A meditação zen ou zazen, como fala-se no jargão oficial, não admite distrações e ruídos. As crianças são por natureza inquietas. Os adultos conseguem disfarçar sua inquietação, mas elas não aceitam ser silenciadas.


Há um método que em principio servia para acalmar crianças mais agitadas, com algum medo ou dificuldade de dormir. Elétricas, com energia demais para desligar. 

A técnica do sapinho consiste em colocar uma almofada pequena no formato de um sapinho no barriga da criança e pedir para que ela olhe para o vai em vem da barriga ou do sapo. enquanto ela olha esse vai-e-vem do sapo sua mente desacelera, muda de foco. Ela vai se acalmando e mudando de comportamento. Funciona. E tem sido usada muito em escolas com crianças mais agitadas ou que tem algum problema em casa, ou briguentas. Aquelas que não que conseguem focar nas atividades de da escola ou socializar. 

Mas os adultos também podem e devem usar a técnica com a almofada do sapo. Não é difícil fazer uma almofada pequenina. Veja o molde:


Mila Arts - moldes e PAP: Molde sapinho feltro

Este método também poderia ser usado com crianças de praticantes do zen budismo para integra-los à comunidade. 

É claro que não precisa ser uma almofada formato de sapo. A ideia do sapo é que ele fica parado por bastante tempo.

12 agosto, 2017

Ser Budista é caro?

Ouço com frequência que praticar no Budismo é caro. Que retiros são para quem tem dinheiro. Que mesmo uma palestra com monja Coen é só para quem pode. 

Eu mesma já pensei assim, mas mesmo tendo dificuldades no início, eu juntava o que tinha. Ia atrás da grana. Para ir no meu primeiro retiro fora da cidade, eu vendi meus livros e cds. 

Então esse papo de que o Budismo é para ricos evidencia um hábito tão nosso de querer as coisas de graça, ou por valores mínimos. Fomos acostumados assim, não é nossa culpa. Mas nos esquecemos que o "de graça" não existe. Se vou numa peça com entrada gratuita é porque alguém pagou pela produção. Em geral há recurso público. Recurso público vem de impostos pagos por todos nós. Então, não é gratuito. 

Há pessoas que fazem o esforço de buscar o Dharma custe o que custar e há pessoas que apenas reclamam ou esperam se beneficiar do esforço dos outros. 


Image result for zen scholarships


Talvez o Budismo não seja para essas pessoas. Há religiões mais ricas e com mais recursos com portas abertas a cultos sem nada exigir, nem mesmo uma esmola no fim do culto. E há outras que pedem insistentemente seu dinheiro. As opções estão disponíveis, se a sua é o Budismo, prepare-se, trabalhe, ganhe dinheiro e beneficie muitos seres vivos com ele.

Na minha tradição de Zen Budismo há um fundo para ajudar aos alunos que não tem recursos chamado scholarship. Ele serve para ajudar alunos e monásticos no seu treinamento. Acho uma ideia muito boa. Eu nunca usei porque acho que tenho que me esforçar para ir por meus meios. Não sei dizer se no Brasil tem scholarship. Seria bom se tivéssemos pois creio que há pessoas que não podem fazer nenhum investimento num retiro, por exemplo, e que tem conexão verdadeira com o Dhama. Para essas pessoas, as portas parecerão fechados, mas pela minha experiência digo a elas, se tem de fato conexão, não desistam. Eu iria à pé ou de carona, se realmente quisesse ir a um retiro. Pediria dinheiro na rua, venderia bolo, faria uma vaquinha, enfim, com tantas ferramentas não se pode dizer que não há como conseguir.

Por outro lado os professores e seus centros zen ou budistas vivem de doações. Como a maioria que frequentava nada doava, optou-se por cobrar ou sugerir um valor. Se todos fossem honestos e contribuíssem, mesmo com pouco, todos poderiam desfrutar do lugar e dos ensinamentos. Onde a honestidade impera o beneficio é maior. Onde a desonestidade age a seletividade prevalece. Se você não pode ajudar com dinheiro ofereça outro tipo de ajuda. 

Sugestão de Livro: Manual de limpeza de um Monge Budista

Resultado de imagem para manual de limpeza de um monge budista


Tá muito em moda a onda de arrumação. As técnicas do minimalismo: menos é mais. Isso nos que transitamos no universo do zen budismo já sabemos. Os que não convivem com comunidades zen budistas ou nunca foram a um retiro zen budista não sabem o que é fazer Samu. A limpeza com atenção plena. Pelo menos o apelo é para que a limpeza seja uma extensão do zazen, mas nem sempre acontece. Continuamos tentando.

Esse livro foi escrito por um monge da tradição Shin Terra Pura. Ele tem muitos amigos na comunidade zen budista e pode consulta-los a vontade por isso ele foca no estilo zen, mas segundo ele não há muita diferença da Terra Pura.

Ele fala de um estilo mais tradicional e antigo de fazer limpeza. Reconhece que muitos mosteiros já se modernizaram e não usam mais os mesmos materiais feitos à mão ou com produtos caseiros. Compra-se muita coisa pronta, como: vassouras de plástico ao invés da vassoura de palha ou de galhos de árvore, usada para varrer o pátio. 

Para quem pretende algum dia ir a um retiro da tradição Soto Zen, por exemplo, pode ir se preparando com esse livro. Quem quer iniciar-se no caminho da organização, limpeza, faxina, também serve. É um outro modo de fazer as coisas, mais calmo, atento, e lento. Não é necessário limpar tudo de uma vez e nem é necessário limpar rápido para depois ficar a toa. A limpeza no estilo zen nunca acaba e nunca começa. Ela é um continuo.

Frequentemente nos retiros cabia a mim limpar os banheiros. Eu olhava e pensava, mas já está limpo. Todavia não era essa a questão. Poderia estar limpo, mas minha mente não estava limpa. Quando terminava de fazer a limpeza eu tinha vontade de deitar no banheiro e ficar ali de tão limpo e perfumado que ficava. E tinha que ser mantido assim por todos que dele se utilizassem. Não é porque tem alguém que limpa as coisas por nós que devemos descuidar da limpeza. Devemos deixar tão limpo quanto encontramos. E se encontramos sujo, ao invés de reclamar, devemos limpar nós mesmos, seja o nosso banheiro, ou o banheiro alheio. 

Para mim tem pouca novidade mas para você que não está familiarizado com as técnicas de limpeza do zen budismo será um belo presente. Aproveite e abra-se para esse universo delicioso que irá leva-lo ao caminho da tranquilidade. Boa leitura.