24 novembro, 2016

Por quê tanto Samu?

Fazer samu o dia todo faz parte da tradição japonesa no zen. Se vc. for passar alguns meses num mosteiro no Japão verá que a regra básica é: "sem descanso", ou seja das três da manhã à meia noite ocupe-se com tarefas, mesmo que repetitivas. Esvaziar a mente através da ocupação é uma técnica muito simples que qualquer indivíduo pode fazer, por isso o samu é o nível básico da prática. 


Depois passa-se para o nível das cerimônias. Sem atenção e foco vc. não conseguirá fazer corretamente as cerimônias. Então, o treino anterior, só com samu, será bastante útil se vc. souber aproveitá-lo.Depois de aprendidas as cerimônias passa-se para o zazen, que é o nível mais alto da prática e o mais difícil. Vc. esvaziou a mente, praticou a atenção, agora pode se sentar. 

Em geral, nós seguimos o estilo americano de zen. Se pratica um pouco de samu, um pouco de cerimônia e bastante zazen. Então, nem todos estão no mesmo nível. Nessa situação os iniciantes podem ter mais dificuldades com o zazen. 

Num retiro de poucos dias não há possibilidade de aplicar o mesmo regime do mosteiro (só samu, alguma cerimônia e algum zazen, se der tempo), por isso as três práticas estão presentes. Cada um se ajusta como pode. 

O iniciante pode sofrer mais e até se afastar, mas deve ter paciência e ir se adaptando. Quem já senta há bastante tempo tende a não gostar tanto do samu, mas deve ser humilde e saber esperar os que ainda estão começando no caminho. O mais "experiente" pode renunciar a seu zazen e ajudar quem tem mais dificuldade.

A importância do samu é que ele põe todos no mesmo nível. Todos podem varrer, lavar louça, limpar banheiro, passar pano, cortar a grama, etc. Não precisa ser doutor, nem sequer saber ler e escrever. Não precisa de nenhuma habilidade especial ou específica.