20 fevereiro, 2014

Qual é a resposta?



How many roads must a man walk down,
Before you can call him a man?
How many seas must a white dove sail,
Before she sleeps in the sand?
Yes, and how many times must cannonballs fly,
Before they're forever banned?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind

Yes, and how many years can a mountain exist,
Before it's washed to the seas (sea)
Yes, and how many years can some people exist,
Before they're allowed to be free?
Yes, and how many times can a man turn his head,
And pretend that he just doesn't see?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind.

Yes, and how many times must a man look up,
Before he can see the sky?
Yes, and how many ears must one man have,
Before he can hear people cry?
Yes, and how many deaths will it take till he knows
That too many people have died?
The answer, my friend, is blowin' in the wind
The answer is blowin' in the wind

Não me espanta a escalda de violência que todos agora falam ser insuportável, mas sempre existiu. O homem sempre foi violento e agressivo. Essa é uma das características da natureza animal que possivelmente sempre nos acompanhará. Dizer o "homem" parece lugar comum, mas o homem humano de verdade ainda não despontou, ainda não deu ar da sua graça. Esse humano que tanto esperamos para começar a viver de fato por aquilo que interessa e vale a pena viver. Não há humanos sobre a terra. Há sim, uma manada de gente lutando pela sobrevivência, atacando e se defendendo como fazem bem desde os primórdios da existência as bactérias, os vírus e todas as classes do reino animal. O homem é ainda o tal elo perdido. Quando vamos encontrá-lo e vamos despertar nossa humanidade? Talvez isso demore ainda muito tempo para acontecer. Talvez essa espécie como a conhecemos desapareça sem despertar. Triste? Não, é apenas assim como é. Tentamos, tentamos. Ora falhamos, tentamos novamente. Até que um dia talvez aconteça. Nem por isso devemos desanimar e nos juntar aos derrotistas. Devemos continuar a acreditar na possibilidade de melhorar senão de um todo pelo menos do indivíduo. Você pode fazer a sua parte ficando longe do animalesco que ronda a natureza nada humana.

A violência apenas reforça essa natureza que está nos nossos gens. Ela só deixará de ser potente se a gastarmos e não se a acumularmos mais e mais. Não precisamos mais caçar. Não precisamos mais ir para lugares distantes em busca de comida. E se um dia precisarmos talvez possamos usar essa força genética para sobreviver, mas usá-la para ações onde não nos cabe intervir é apenas seguir nosso instinto sem perceber que podemos mudar esse comportamento pelo bem de todos.


Sem comentários: