31 julho, 2013

Minha Vaca não é Pequena Assim. Minha Vaca é Grande


Um verão, Ko Bong Sunim sentou-se em retiro Kyol Che no tempo de Won Sahn, onde o famoso Mestre Zen Hae Wol estava ensinando.

Havia trinta monges praticando de manhã e de tarde tralhando na horta. O trabalho era pesado e, ao entardecer, eles estavam todos cansados. Eles também não tinham dinheiro e pouca comida. A comida que eles tinham era péssima. Havia muita reclamação entre os monges.

Certa manhã, o mestre Hae Wol deixou seus alunos sozinhos por alguns dias para ir visitar o líder do templo.

Depois que ele partiu, Ko Bong falou para seus colegas para vender a vaca que pertencia ao templo (eles precisavam dela para fazer o trabalho pesado na horta, sem ela não poderiam trabalhar).
depois de vender a vaca, Ko Bong sugeriu que eles comprassem comida boa e bebida para todos.

Naquela noite, ao invés de sentar em meditação, eles fizeram uma grande festa. Eles comeram, beberam, riram, dançaram e cantaram. Eles estavam muito felizes. Eles foram dormir bem tarde e não acordaram para os cantos da manhã.

O Mestre Zen voltou para o templo bem cedo, o sol ainda não tinha surgido. Ele não ouviu nenhum canto. Ele percebeu que a vaca havia sumido. Depois de abrir a porta do templo, ele sentiu um mal cheiro de comida e bebida. Todos os seus alunos dormiam roncando alto.
Percebendo o que eles tinham feito ficou muito bravo e gritou:

"Acordem! Acordem!"

Cada um pulou, com medo, mas sem dizer nada. Caminhando na direção da estátua do Buda ele olhou aluno por aluno. Seus olhos estavam enormes como um leão. Então ele gritou:

"Quem roubou minha vaca?"

Todos se agitaram e ficaram cada vez mais nervosos. Mas não falaram nada. Eles, apenas olharam para Ko Bong Sunim. Por sua vez Ko Bong apenas permaneceu sentado onde estava. Ele não estava com medo.

Novamente o Mestre Zen gritou:

"Quem roubou minha vaca?"

Imediatamente, Ko Bong levantou-se e tirou todas as suas roupas. Pondo-se de quatro em frente de Hae Wol, mugiu:

"Muu! Muuuuu!"





O Mestre Zen Hae Wol apenas riu, e bateu no traseiro nu de Ko Bong, dizendo:

"Minha vaca não é pequena assim, minha vaca é grande."

Então Ko Bong levantou-se e voltou para seu quarto. A vaca nunca mais foi mencionada.


Mestre Zen Seung Sahn. In: The Whole world is Single Flower. Trad Jeane Dalbo

24 julho, 2013

As Três Transmissões de Buda a Mahakashyapa


1.Certa manhã Buda sentou em frente a uma Pagoda.  Ali estavam reunidos  muitos discípulos que vieram de lugares distantes e de perto para ouvir o Darma do Buda.

Todos esperavam que ele começasse a falar, mas Buda não abriu a boca.

Nas fileiras da frente estavam os monges e discípulos mais velhos, entre eles muitos monges veneráveis.

Os monges mais novos e os noviços sentavam-se distantes das primeiras fileiras ou no final da assembleia

Mahakashyapa chegou e passou na frente do Buda.

Embora ele fosse mais velho, ele só tinha se tornado monge há pouco tempo, então todo mundo se perguntou se era correto que ele passasse na frente do Buda.

Mas quando o Buda o viu, ele saiu do seu lugar e deixou Mahakashyapa sentar-se em sua almofada.
Todos ficaram surpresos e perplexos.

Buda quis demonstrar com essa atitude a equanimidade  da natureza-darma.


2. Buda estava no Pico dos Abutres. Mais de mil discípulos estavam reunidos para ouvi-lo, mas ele não abriu a boca. Depois de alguns minutos de silêncio, ele ergueu para o alto uma flor, em frente aos discípulos. Ninguém entendeu. Apenas Mahakashyapa sorriu.

Então Buda disse: "Eu transmito meu Verdadeiro Darma para você."


3. Buda morreu quando tinha 80 anos. Na ocasião muitos de seus discípulos se perguntaram:

"Por que Buda morreu?"
"Por que ele não viveu mais tempo?
"Isso não é justo."

Entretanto, eles não podiam iniciar a cerimonia de cremação sem a presença do grande discípulo de Buda, Mahakashyapa. Eles o esperaram ansiosamente por sete dias até que ele chegou.

A madeira já estava montada para a pira do funeral e no topo dela, no caixão de ouro, estava o corpo do Buda.

Percebendo que todos estavam ainda tristes e confusos, Mahakashyapa, se prostrou três vezes em frente a pira, andou três vezes em volta dela no sentido do relógio e prostrou-se em frente dela mais três vezes.

Depois da última prostração houve um grande estrondo, como um trovão e os pés do Buda apareceram para fora do caixão. Todos ficaram chocados e imediatamente entenderam esse ensinamento:

Apenas o corpo do Buda morreu, mas o verdadeiro Buda nunca morre.


Mestre Zen Seung Sahn. In: The Whole World is Single Flower. Trad. Jeane Dalbo

12 julho, 2013

Qual o Sabor do Melão?




 
"Silêncio é melhor que santidade, então uma ação é melhor que todos os sutras.
Se você estiver preso à palavras e discursos você não irá entender o sabor do melão;
você somente irá entender sua forma externa. Se você quiser entender o sabor do melão,
então corte um pedaço e coloque-o na boca.
Um melão cresce e amadurece por si mesmo;
ele nunca explica para as pessoas sua situação ou condição."
 
Mestre Zen Seung Sahn em The Whole World is Single Flower. Num. 9. Trad. Jeane Dalbo