02 novembro, 2012

Por que tememos a morte?

Buda em Parinirvana


Vir de mãos vazias, ir de mãos vazias; isso é humano.
Quando você nasceu, de onde você veio?
Quando você morrer, para onde você vai?

O Percurso Humano in: The Whole World is Single Flower

Devemos ser diligentes hoje.
Esperar pelo amanhã será tarde demais.
A morte chega inesperadamente.
Como barganhar com ela?

Gatha in Velho Caminho, Nuvens Brancas p. 265



Morrer faz parte do ciclo de uma vida. Até os mais ignorantes sabem que é o corpo que fenece. Que enfim não podemos nos arrastar por ai com esse corpo infinitamente a menos que sejamos da classe dos zumbis, ou vampiros, que são personagens, e não seres vivos.


Alguém diria que não quer morrer por que tem medo da finitude da vida. Ou por que não sabe o que tem do outro lado. No fundo as pessoas não querem morrer porque sabem que por mais conhecidas ou estrelas que sejam, acabadas as homenagens serão esquecidas. Exceção as pessoas que ficam doentes com a morte de alguém, todos nós seremos sumariamente esquecidos. O ego que é vaidoso não gosta da morte. O ego sabe que a morte o desfavorece.

Saber que a vida continua é um alento para muitos. O corpo é deixado de lado como um carro velho que não pode mais ser concertado. Quando for possível entramos em outro carro novinho e a vida segue num continuom sem fim.

Se pensarmos que "A vida" é apenas energia vital que se renova ou vem e vai por que temer. Do ponto de vista Budista deveríamos temer nossa mente e não a morte. Nossa mente enquanto energia pulsante vem e vai e o que acumulamos em cada vida fica registrado (depositado) nela. Como se carregássemos um baú nas costas vida após vida.Tema a sua mente não a morte do corpo físico.


Sem comentários: