11 novembro, 2010

Dificuldade em Lidar com a Gratidão

Quando vc. der esqueça estas três coisas: Eu, você e dar.

Mestre Zen Ko Bong

A vida, segundo o nosso estilo, não cabe na gratidão. Nós não gostamos ou não temos  hábito de sermos gratos a todo momento. Não temos porque ninguém nos ensinou. É assim, portanto não podem nos culpar.

Uma das muitas coisas que aprendi no Zen foi exatamente a agradecer. Seja com um simples gasshô, com um obrigada ou com algum presente ou mesmo uma doação em dinheiro, se eu puder e tiver para dar.

Não é fácil em nossa cultura dar. Nós fomos acostumados ao sentimento de que não precisa, de que temos pouco ou somos pobres, de que antes devemos receber algo do que dar. Ou na pior das hipóteses achamos que devemos nos aproveitar ao máximo do que não nos é cobrado. Assim ao ir em uma festa de casamento algumas pessoas comem em excesso e ainda não satisfeitas levam comida escondido para casa, só por que lhes foi dado. Mas jamais lhes ocorre o sacrifício que os noivos e sua família fizeram para lhes dar aquela festa.

Por outro lado temos a cultura de não aceitar o que nos dão. Já que também não damos achamos que o mais correto é não aceitar, pois se aceitamos vem a obrigação moral de retribuir.

Dar não é um ato de competição. Também não é uma obrigação.



"Dana, significa Generosidade em sânscrito. Dana está intrínseca nos 2500 anos da tradição budista.
Desde o tempo do Buda, os ensinamentos eram considerados sem preço,e, portanto, oferecidos gratuitamente.

Porém, há uma tendência em nossa cultura em ver o "dar" como uma perda, um sacrifício.
Dar é uma oportunidade de cultivar um coração generoso, e também uma forma de conectar com aquilo que é bom.

Nos ensinamentos budistas a prática da "dana" é o fundamento do despertar.
Não há uma quantia "certa", que possa ser calculada, a ser dada.
Ela vem do coração, uma escolha pessoal que é inteiramente voluntária, de acordo com o desejo de cada um."

Sem comentários: