21 junho, 2010

Vc. anda de mãos dadas com Mara?

Quem é Mara? Mara é tudo que existe. São nossos sonhos, nossas obsessões, nossas ilusões, nosso vida apegada ao passado, são nossas fantasias. É tudo que nos rouba do momento presente.

Quase sempre, quando decidimos dar outro rumo a nossa vida quem vem tentar nos desviar do caminho: Mara. Tentamos largar o vício de fumar, mas Mara nos convence a fumar só mais um antes de parar e nunca paramos de fumar mais um pra só depois parar.


Quando encontramos o Caminho, aquele que nos leva a um contanto com nossa verdadeira natureza, antes precisamos passar pela resistência que a mente, apegada aos hábitos e padrões aos quais estamos acostumados, nos impõe. Mara nos dirá:"Para que mudar? Para que ir nessa direção? Fique aqui onde não há nenhum risco. Está tudo bem assim."

Então vc. olha para Mara e diz:"Eu sei quem é vc." Só isso. Nada de discutir, brigar, se debater. Apenas isso.

Mas não esqueça que se Mara é tudo que existe, ele também é você.

Mara sempre sabe quais são nossos pontos fracos. Portanto se Mara sabe trate de saber também. Se sabe, fortaleça esses pontos vulneráveis.

Mara também pode ser entendido como "obstáculos" que surgem no nosso caminho e nos levam a desistir da prática, os obstáculos não são ruins. Eles testam nossa coragem em prosseguir e superá-los. Mara vem testar não atrapalhar. Será que estamos preparados? Será que aguentamos? Um bom praticante, sincero e determinado sempre será importunado por Mara pois ele não gosta que ninguém tente ser livre das amarras desse mundo, que ninguém conquiste o despertar e se liberte da escravidão do sofrimento. Pois o que alimenta Mara é justamente o sofrimento, o apego, o desejo por ter e ser. Mara é o oposto de Buda, mas Mara também pode despertar.

Chamar Mara não é aconselhável. Ignorá-lo também não. Estar atendo, manter-se firme, fortalecer o centro (hara) é suficiente.

Não chame Mara, vc. pode perder-se para sempre. Chame por todos os Budas e Bodhisatvas. Eles estão sempre conosco: presente, passado e futuro.

2 comentários:

Anónimo disse...

ei Jeane! gasshô saudades!
mara...lembrei-me de dukka, edukka-nos a mente e o coração! mara vilha, possibilidades de nos atentar educar ao agora quase quando!
não chamemos mara, chamemos amar! beijocaju!

juliana penna

acupuntura das gerais disse...

Obrigada pelos ensinamentos, palavras que são como luz na obscuridade do caminho.
Força no hara e
que venha Budas e Bodhisatvas!
_/\_