31 maio, 2010

Valtando para Casa.

Depois de uma longa caminhada no deserto encontrar com seu mestre é como voltar para casa.Por isso olho atentamente para cada um que vejo. Nossa casa é nosso porto de chagada. Onde nos harmonizamos. Não há mais para onde ir. Está tudo aqui.

30 maio, 2010

Olhar e Diferenças.

Amigos são como qualquer ser humano - cheios de defeitos!
O pulo do gato é encontrar amigos que se encaixem nos nossos defeitos.


[Giovana Gonzales - Rev. Capricho, n. 948, 05/08/04]

O pulo do gato é as pessoas aprenderem a conviver com as diferenças e não sair por ai formando tribos por que não conseguem ser felizes se comparando com os outros que
são diferentes de si.
Assim, se meu defeito for roer as unhas, vou para a tribo dos roedores de unhas e lá ninguém vai querer por pimenta nos meus dedos. Então serei feliz. Não, claro que não!

Como posso ser feliz se não conviver com pessoas que me desafiem a me olhar no espelho de mim mesma. Não seria construtivo, seria como tapar o sol com peneira, algo como síndrome de Peter Pan, não quero crescer. Quem não quer crescer não quer conviver com as diferenças. Elas assustam.

Mesmo que meus amigos me aceitem com meus defeitos, será que eles também não estão tapando o sol com a peneira? Afinal sempre acreditei na máxima de que "os amigos são aqueles que te mostram, nu e cru, os teus defeitos". Eles o "olhar de fora que vê melhor". Então, se alguém vê e fica na sua porque aceita o teu defeito, que benefício há em ter amigos assim?

29 maio, 2010

Somos Doentes de Passado

Guardar, guardar, guardar.

"Guarda!" em italiano sig. "Olha" "Guardar" sig "olhar"

Olha isso aqui! Olha agora! E depois esquece!

Vivo quase uma amnésia diária. Involuntária. Um alívio pois as coisas não ficam muito tempo na lembrança. Inconveniente numa conversa não lembrar de nomes, não saber contar coisas porque faltam dados.As coisas são contadas com base no que já aconteceu. O que já aconteceu já esqueci. Coisas marcantes ficam mais tempo circulando na mente.

É um alívio não buscar no passado lembranças (principalmente as mais desagradáveis ou dolorosas), não ruminar por muito tempo eventos. até mesmo antigos ressentimentos se perderam no esquecimento.

Se algum dia alguém inventar um dispositivo para fixar na região do cérebro que ativa as lembranças para desliga-las, que não seja uma droga como em Admirável Mundo Novo, porque as drogas proporcionam esquecimento momentâneo mas,passado o efeito, as lembranças ainda está na mente e o corpo fica doente. Talvez isso proporcione alívio a muitas pessoas que vivem doentes do passado e não conseguem, mesmo com auxílio de terapias, esquecer situações dolorosas, traumas que as impedem de ter uma vida saudável.

Mas até lá o exercício mais prático de esquecer-se de si mesmo é deixar os acontecimentos irem do seu pensamento. Não se agarrar a eles. Usá-los pelo tempo necessário e depois abandoná-lo. Como ir ao banheiro. Vc. usa o papel higiênico e deixa no lixo. Vc. não o leva consigo de lembrança. Ele foi útil naquele momento. Não é mais.

Então vc. olha para as coisas que acontecem. Olha mesmo, como vc. olha para um objeto, vc. olha para sua mente. Vc. olha para o processo: ação-efeito-resultado-e deixa ir da sua mente.

Qdo eu tinha uns 12 anos fiz uma experiência com um copo de cerveja. Queria saber o que acontecia se eu tomasse aquela cerveja gole a gole, lentamente, observando o processo: o percurso que o líquido faz no corpo até o álcool chegar no cérebro. Sem saber eu tomei aquela cerveja com plena atenção e senti uma sensação tão estranha, que, depois de alguns goles, não consegui mais prosseguir. Depois desse dia fiquei muito tempo sem beber nada de álcool.

Olhar para as coisas ou sensações nos dá a dimensão de que elas são feitas. Fazer experiências ajuda a ver melhor o que acontece. Olhar com plena atenção. Esse método que usei com o copo de cerveja pode ser aplicado a outras coisas. Ao cigarro, a um prato de comida, a raiva, medo, sentimentos mil. Basta investigar a si mesmo. Tão logo algo surja perguntar-se "O que é isso!" - Quando algo surge em sua mente ou quando há uma reação também ajuda. Mas não pergunte "o que é isso?" para alguém. Pergunte para si mesmo. Porque as coisas surgem de vc. para fora. é vc. que reage aos estímulos de fora, então o que acontece, a sua reação vem da sua mente. Uma mente treinada não reage, apenas observa como se fosse uma nuvem passando. E então espera a nuvem passar. Se reage o faz amorosamente.

Isso já ajuda bastante a curar-se do passado.

28 maio, 2010

Um mundo mais leve é possível?

Depois de alguns dias "pisando em ovos" me sinto mais leve. A leveza é uma experiência que já havia tido depois de retiros, mas essa é mais profunda. As pessoas em volta parecem que se ligam na mesma energia. Em casa, no trabalho, tudo vai se harmonizando. Não sei quanto tempo vai durar. É uma amostra de como o mundo poderia ser melhor se houvesse mais leveza nas coisas, atitudes, fala, ações. "pisar em ovos" é bom treinamento.

Para ser Monge precisa se transformar em Dragão.

No Shobogenzo-Zuimonki está dito: “Existe um lugar no oceano onde está o portão do dragão, que é quando o peixe, em geral uma carpa, ao chegar a tal lugar onde as ondas são muito altas. Como uma cascata de três camadas. O peixe começa a subir. Mas como são três camadas, não consegue subir e no meio da ascensão cai, tomba. Tenta de novo mas cai, caindo, caindo, mas alguns peixes conseguem subir tudo isso. E a mitologia diz: Nesse momento, quando se consegue passar tudo isso, o peixe se transforma em dragão.” Portanto, essa cachoeira, portão do dragão, é a entrada do dragão. Esse lugar corresponde ao Mosteiro Zen. O treinamento é muito árduo, muitos não conseguem passar, caem fora. Quem conseguiu ficar lá, no ango de três meses, um ano, dois, três anos, esse monge, praticante Zen, se transforma em um dragão, monge Zen verdadeiro e não depende de saber muitas coisas sobre o Dharma, não precisa falar como uma cascata e não depende se já leu o Tripitaka ou todos os sutras Budistas três vezes, isso para monge Zen não quer dizer nada mas apesar de tudo, aparentemente você é a mesma pessoa, tem a mesma cara mas algo está totalmente mudado. Essa transformação é um símbolo do dragão como falei anteriormente, caos, quer dizer, questão de vida e morte, perigos, riscos, quem passar isso conseguiu sua auto-realização. Entretanto não é controlado. Ninguém sabe o que vai acontecer. Todas as dificuldades, fora dos limites físicos e espirituais. Quem quer experimentar pode entrar nesse lugar. Mas as pessoas não sabem nada disso e pensam que você ainda está lá naquela parte da água e parado com a represa, tirando a água fora querendo pegar esse peixe, carpa, no fundo da água, mas imagine, esse peixe já se transformou em um dragão e subiu para os céus. Essa é a imagem do dragão, do portão do dragão. A pessoa para tentar entrar nesse portão, tem uma certa maneira, porque se a pessoa entrar, não tem mais regresso para trás. E entrega seu corpo e mente ao que ocorrer no mosteiro. Mestre Zen Tokuda Igarashi

19 maio, 2010

Zafu Terapia.


A Zafu Terapia consiste em alongar a coluna usando o zafu como suporte (dois zafus, um em cima do outro). Depois de aquecida enrole-se em um cobertor de fleece e sente-se no zafu para dar início a sua sessão de meditação zen- zazen.

10 maio, 2010

Como Quebrar Padrões.

Buda Ensinou que quando alguém lança uma flecha devemos ser capazes de transformá-la em pétalas. Mas quantos são capazes?
Mais fácil se deixar ferir, enraivecer, magoar e devolver outra flecha com o mesmo veneno.

Um padrão de ataque vai ter em resposta o padrão de defesa.
Mudar o jeito de responder pode quebrar o padrão de defesa embora nem sempre desarme o padrão de ataque.

Se a pessoa está no piloto automático é mais difícil desligar o padrão. Mas não é impossível. Isso requer pensar em como se ajudar primeiro e aprendida a lição em como aplicar nas demais
situações. Aprender requer investigar. Buda ensinou que precisamos "Investigar a nós mesmos." Investigar no sentido de nos conhecermos, de sabermos quem somos, como nossa mente funciona em determinadas situações, e sabendo como somos, curá-la de seus padrões repetitivos, quase sempre danosos à nossa vida e a convivência com os demais seres.

09 maio, 2010

Viver em Harmonia.

Mãe
Pai
Irmão,Irmã
Filho(s)
Conhecidos
Desconhecidos
Todos deveriam
Viver em harmonia
Viver
Conviver
É um meio hábil (um jeito de aprender e ensinar usando um disfarce)
Para nossa condição humana evoluir
Como ser
Abrir-se a natureza de todas as coisas
A verdadeira natureza do ser
Olhe com mais carinho para si
Para quem está ao alcance do abraço
Para quem não lhe agrada
Faça um esforço para abraçar e sorrir para todos
os seres.
Olhe com o olho de Buda
Que tudo acolhe.
Nada diferencia.

03 maio, 2010

Borges Zen

... duas pessoas fizeram-me a mesma pergunta; a pergunta é: "Para que serve a poesia?" E eu disse-lhes: "Bom, para que serve a morte? Para que serve o sabor do café? Para que serve o universo? Para que é que eu sirvo? Para que é que servimos?" Que coisa mais estranha perguntar-se isso, não é?"

Jorge Luis Borges

Prazer ou Dor?

Tem pessoas que ficam tristes mesmo quando um copo daqueles de massa de tomate é quebrado. Eu não fico triste nem mesmo quando uma xícara da vovó é quebrada, acho que nem mesmo que fosse uma xícara da Rainha Elisabeth. Mas entendo o sentimento de apego. Quando vc. quebra algo seu é diferente de quando alguém quebra algo seu? Não sei porque, mas não deveria ser diferente.

Achei uma historinha para ilustrar:

O patrão foi viajar por alguns dias. Na sua ausência a empregada ao limpar seu vaso favorito o deixou cair quebrando-o em mil pedacinhos. Justamente neste momento o patrão vinha chegando e a empregada olhou para ele temerosa. Quando ela se preparava para pedir desculpas o patrão adiantou-se e disse: "Não se preocupe com esse vaso velho minha querida, eu o comprei para o prazer e não para a dor."