04 abril, 2010

Volte para seu Mestre Original.

É tão difícil o encontro com um mestre verdadeiro. Comum é ver aqueles que ao encontrá-lo, saem correndo ou mesmo de fininho vão desistindo, porque percebem que ali está alguém que não vai cair nas suas já bem ensaiadas lamurias, desculpas, dissimulações, trapaças. Percebem que serão desarmados e se encontrarão face a face com a verdade e temem ser descobertos, ou terem que abandonar seus hábitos não saudáveis, seus padrões aos quais preferem manter a reformá-los.

Às vezes o mestre nos sinaliza claramente por que estamos aqui.

O mais comum é nem chegar a haver essa aproximação entre mestre e aluno e se há logo começam as costumeiras autosabotagens. "Estou trabalhando muito, moro longe, não entendo o idioma do mestre, ele mora do outro lado do mundo, não tenho dinheiro, ele não me entende, ele é duro demais, não dá bola pra mim, não se comunica, não entende minhas dificuldades, entre outras desculpas.

Se for um mestre inadequado nada sucede, mas se for o mestre original, prepare-se para ver sua vida virar um caos. Desistir do mestre original impõe um certo "castigo" que quase ninguém percebe. É como se o universo mandasse um recado claro e preciso. Alguns retrocedem na prática, abandonam o Sangha, voltam à vida que levavam antes. Se bebiam voltam a beber mais, se usavam drogas voltam a usá-las, alguns até ficam doentes ou acordam doenças que estavam quietinhas lá nas profundezas.

Quem busca o caminho mais fácil está tão iludido quanto quem busca o caminho mais difícil. Um bom mestre vai saber sinalizar o ponto de equilíbrio entre o mais e o menos.

Se seu mestre não se comunica ou não te dá atenção qual a razão do silêncio? Ele pode estar apenas te observando, te conhecendo e te testando. Nós somos cada vez mais ansiosos e queremos resultado imediato. O Zen não funciona nessa vibe.

Ter raiva do mestre verdadeiro é muito danoso porque na verdade o mestre verdadeiro é apenas um espelho para quem o segue perceber seus enganos, perceber o quanto está iludido e transformar-se. O mestre é como uma isca e o discipulo é como o peixe.

Se desistiu do seu mestre verdadeiro volte correndo para ele. Não importa as dificuldades, a distância, barreiras de idioma, pessoais, financeiras, etc.

Sem comentários: