23 dezembro, 2009

Lembrar de Lembrar.

Quando vai chegando a reta final do ano fazemos planos, até os colocamos numa lista. Mas depois esquecemos da lista e seguimos nossa natureza preguiçosa. Alguns adotam a milenar tradição da faxina de fim-de-ano:arrumar coisas, se desfazer do entulho acumulado, dar o que não temos mais precisão, reciclar, e ainda aprender a doar o que achamos que vamos precisar, mas que não passa de puro apego. Lembra de algumas senhoras velhinhas que às vezes são notícia por encherem a casa de lixo e coisas que parecem serem úteis. Quando pensamos: "Posso precisar disso ou daquilo". Estamos indo nesse caminho doentio. Na outra ponta da doença há também aquelas pessoas que tem obsessão por limpeza e arrumação. Mas a limpeza saudável acontece todos os dias, não só na casa, mas na nossa mente. Vamos olhando para nossos atos e pensamentos e deixando eles irem embora aos pouquinhos. Essa limpeza é mais difícil porque assim como na faxina da casa, por muitos motivos, vamos adiando, na faxina da mente, também encontramos desculpas. E nessa tarefa, nosso maior obstáculo é o esquecimento. Esquecemos de nós mesmos, de olhar para si e ver como estamos. Quem fomos, quem somos agora e quem queremos ser?

Faço minha retrospectiva mentalmente e percebo detalhes muito sutis. Nada especial, Nenhuma grandiosa mudança, mas intenções, empenho, e pequenas ações aqui e ali que passam desapercebidas. Vejo-me fazendo e desfazendo meus enganos, indo e voltando atrás para reparar erros que podem custar mais caro que o desejo. É útil treinar-se para perceber o que fazemos, mesmo que em algum momento não funcione. Sempre é possível tentar de novo. Tenho a graça de novas chances. Mas não sei quantas ainda terei.

Minha lista foi demasiado ambiciosa e demandava uma fortuna para realizá-la toda em um ano. Por isso mantenho a mesma por vários anos Assim cada ano posso prever o que na minha lista será possível. Algumas viagens, algum dinheiro, movimento.

Foi um ano de ensaio como é a vida em si: um longo ensaio para voltar para casa, onde só podemos entrar de mãos vazias. E no próximo ano o ensaio deve continuar. Ainda não revi minha lista e pouco há para acrescentar às listas anteriores.
Conto com o inesperado vento à favor. Quem sabe as surpresas que ele poderá trazer.
Boas ou ruins, todas serão bem vindas. Porque tudo que vem é aprendizado e experiência.

Que os ventos da bonança soprem para todos vocês. Façam sua parte. Não sejam como eu que fico sentada esperando a sorte chegar e sequer jogo na mega sena. Preciso lembrar de lembrar dessa vez.

1 comentário:

SANDRA NABUCO disse...

Não costumo fazer lista de fim de ano,mas costumo me desfazer de coisas que sei que podem servir para outras pessoas!
Desejo que minha vida continue a mesma,não por acomodação,mas porque sempre estou preparada para o que vier!
Sonho com coisas boas para mim e para todas as pessoas!
Que cada pessoa encontre a sua forma de ser feliz e fazer o bem!
Que acredite nisso,porque isso é possível!
Beijinhos e tenha um lindo Domingo!