29 outubro, 2009

Temos Mente e não Sabemos.

Você deve treinar a si. Mesmo que esteja doente de corpo, minha mente estará livre da doença. É assim que você deve treinar a si. […] E como alguém fica doente no corpo mas não na mente?
Quando ele não está obcecado com o ideia "eu sou o corpo" ou "o corpo é meu".
Buda.

Vi um vídeo em que uma senhora que vive na periferia e trabalha de faxineira praticando em sua casa conseguiu reunir mais pessoas que eu qdo tinha uma sanga.
A prática formal é bem simples, mas ela enfatiza que não adianta ficar só ali tem que sair e agir no dia a dia: pôr os ensinamentos em movimento. E ela faz isso e vê os resultados e faz não apenas por ela mas pela comunidade em que mora. Para ela o Budismo mudou sua vida.

O que ela faz? Ela faz aquilo que o Buda recomendou. "Testem no dia a dia os ensinamentos." "Testem em si mesmos." Ela os testa e vê resultados. Resultados não é aquilo que nos buscamos quando empreendemos alguma coisa? Por que então não fazemos experiências com os ensinamentos? Falta alguém dizer? "Olha, essa semana vc. vai prestar atenção como reage quando é contrariado e depois de perceber isso vc. vai elaborar uma estratégia para mudar seu foco. Assim quando vc. for contrariado vc. vai reagir de outra maneira que reage habitualmente."

Esse método pode ser aplicado em tudo, tudo mesmo. Mas não pode ser tudo ao mesmo tempo. Tem que ir aos poucos. É como se vc. treinasse cada parte do corpo uma de cada vez pelo tempo que vc. precisar para que cada parte,quando solicitada, dê a resposta correta.

Temos um terreno de investigação fascinante em nos mesmos. Poucos se detém em si mesmos. Por medo do que vão descobrir. Mas esse método não se chama auto análise, não é necessário refletir, julgar, culpar. O que é necessário é observar/prestar atenção. É algo bem rudimentar. Algo como olhar para o céu à noite e descobrir que "Hoje tem estrelas. Ou Não dá para ver estrelas no céu desse lugar."

Se vc. sabe que tem mente use-a. Se não sabe use-a também. Você já nasceu com a mega sena ganha. Só falta descobrir a combinação certa.

25 outubro, 2009

Como Superar o Medo das Ondas?







Quando vem uma Grande Onda o que vc. faz?

Foge dela ou aprende a surfar?

Fugir é mais prático todavia não resolve o problema.

Aprender a surfar a onda requer persistência.

Até conseguir ficar em cima da prancha e conseguir deslizar por toda extensão dela sem cair leva algum tempo.

O que, às vezes, ocorre é que depois de vários caldos e quedas, alguns ficam com medo de voltar ao mar e enfrentar as ondas. Preferem recuar.

Os que persistem não são menos desprovidos de medo do que os que recuam, apenas não pensam muito na onda como algo a ser vencido. Se entregam ao momento, tentando, tentando, até que não haja mais quem tenta nem a onda. Apenas o deslizar suave, a fusão entre todos os elementos.

22 outubro, 2009

Somente Agora.

A espiritualidade é um termo específico que na verdade significa: lidar com a intuição. Na tradição teísta há a noção de apego a um conceito. Um certo ato é considerado não aceitável para um princípio divino. Um certo ato é considerado aceitável para o divino. Na tradição do não-teísmo, no entanto, é bastante direto que os casos da história não são particularmente importantes. O que é o importante é o aqui e o agora. O agora é definitivamente agora. Nós tentamos viver o que está disponível ali, no momento. Não faz sentido pensar que existe um passado que poderíamos ter agora. Isto é agora, este simples momento. Nada místico, apenas “agora”, muito simples e direto. E desse “agora”, contudo, emerge sempre um sentido de inteligência de que estamos constantemente em interação com a realidade um por um. Lugar por lugar. Constantemente. Nós na realidade vivemos uma fantástica precisão, constantemente. Mas sentimo-nos ameaçados pelo “agora” e saltamos para o passado ou o futuro.Prestando atenção aos bens materiais que existem em nossa vida – esta vida rica que nós levamos, todas estas escolhas tomam lugar a todo momento mas nenhuma delas é considerada boa ou má per se, todas as coisas que vivemos são experiências incondicionais. Elas não veem com uma etiqueta dizendo “isto é considerado mau” ou “isto é bom”. Mas nós as vivemos e não damos a atenção devida a elas. Nós não nos damos conta de que vamos a algum lado. Nós consideramos isso um incômodo, esperar pela morte.

Chogyam Trungpa Rinpoche

15 outubro, 2009

Carma é Vida. Vida é Carma.


Poucos conseguem explicar com precisão cirúrgica e coerência o que realmente significa "Carma". Alguns desfiam longas explicações e se perdem nos exemplos mas como dizer sem rodeios? Como num lance de uma espada contando um diamante e dele saindo um lindo anel ou apenas um uma pedra feia e sem valor?


Não me arrisco a dizer nada sobre, apenas que conheço pessoas que não vivem para não fazer karma. Ou deixam de fazer as coisas normais da vida por medo de errar. Se serve de consolo baste vc. pensar em matar alguém ainda que seu pensamento nunca se concretize,ele já é carma. Mas depois vc. pensa: "Que horror pensar isso!", e se arrepende. Ai é outro carma. Menos pior que o primeiro pensamento, é claro. Ou então vc. dá de cara com uma barata e resiste ao impulso de pisar nela. Depois passa o dia se auto elogiando: "Hoje salvei uma barata!" Se salvou não sei, mas fez carma.

Quem só pensa em não cometer nenhum carma certamente o fará o tempo inteiro e quem não pensa também. Tomar certos cuidados é essencial, é como pensar andes de dar um passo. Vc. não pensa, apenas anda porque é uma ação natural, há muito aprendida. Mas algumas vezes, em certos terrenos, vc. precisa prestar atenção onde pisa. Então vc. presta atenção. E se prestar atenção nas ações aprendidas há muito tempo pode descobrir que não está andando sempre no mesmo caminho. Me parece que o foco, é como de sorte, em tudo na vida, prestar atenção. O resto é apego.

Não fique apegado ao fazer ou não fazer carma. Apenas viva e preste atenção na vida que flui continuamente entre vc. e o universo. Carma faz parte da vida pois só estamos onde estamos porque temos carma. Não haveria o mundo como o conhecemos se não houvesse carma.

E se depender só do meu carma o "mundo" vai durar muitos eons :-)

Aceita um chá?

13 outubro, 2009

A Felicidade está nas coisas Simples e nas coisas Sofisticadas.

Ser frugal é ser simples em nossos costumes, em nossa forma de viver. É não correr demasiado em busca do ter, pois reconhece-se a ilusão de que isto é feito. É evitar o desperdício, é preocupar-se com a ecologia, é dispensar hábitos caros, é suprimir a necessidade de auto-gratificações constantes.

Moderação, sobriedade, temperança, simplicidade são palavras que têm afinidade com frugalidade. Ser frugal é conseguir perguntar: “preciso mesmo disto” e “se eu comprar isto serei mesmo mais feliz”? antes de colocar a mão na carteira ou rabiscar o talão de cheques. É aprender a fazer certas coisas de forma diferente, é procurar opções mais baratas, é resistir à pressão social consumista.

A frugalidade ou simplicidade é junto com a compaixão ou amor e a humildade ou modéstia um dos Três Tesouros do Taoísmo.

Frugalidade não deve ser confundida com pobreza ou com avareza. Uma coisa é viver-se para o consumo sem reconhecer o impacto que se está tendo no ambiente. Permitir-se pequenos prazeres eventualmente não entra, não em minha cabeça, com o conceito de frugalidade. Não sou defensor da frugalidade absoluta, do contrário estaria no Nepal neste momento. Acredito que, sim, possamos ser MAIS FRUGAIS e menos consumistas. Sou algo avesso ao absoluto, talvez porque não acredite nele (apesar de, em alguns aspectos teimar em buscá-lo). Nossa vida é um processo e, acredite, estou melhorando aos poucos. Entretanto, a não ser que me engane, não serei eu um perfeito monge budista nos anos que virão...

A frugalidade não se furta a dormir em uma cama, mas não exige que a mesma seja emoldurada com diamantes e suas colchas não precisam ter fios de ouro. A frugalidade senta-se à mesa e come o pão e toma o vinho, mas não necessita que o vinho seja francês da safra de 1968.

Ser frugal é, em suma, um atalho para a felicidade.


Anotação minha: A Feliciade está em tudo. A diferença é como fazemos uso das coisas.

10 outubro, 2009

Momento Laura.

Laura Pausini canta em inglês nos Estados Unidos e espanhol e quando vai fazer show na América do Sul. Os fãns pedem para que ela cante pelo menos uma canção em italiano. Ela ainda não gravou nenhum trabalho completo em português. Apenas algumas participações. Ainda bem, porque já temos bastante gente cantando em português e prefiro que ela cante em italiano. E Laura acaba de passar pelo Brasil, quem sabe na próxima vou vê-la.






02 outubro, 2009

Grandes Ondas

Nos primórdios da era Meiji, vivia um lutador bem conhecido chamado O-Nami, "Grandes Ondas".

O-Nami era muito forte e conhecia a arte da luta.

Em lutas privadas ele derrotou até mesmo seu professor, mas em público era tão tímido que seus próprios alunos o derrotavam.

Hakuju, um professor errante, se encontrava em um pequeno templo nas proximidades. Quando O-Nami soube fui vê-lo e falou-lhe do seu grande problema.

"Grandes Ondas é seu nome," disse-lhe o professor, "Então fique neste templo esta noite. Imagine que vc. é aquelas ondas. Vc. não é mais um lutador que está com medo. Você é essas imensas ondas varrendo tudo a sua frente, engolindo tudo em seu caminho. Faça isso e vc. será o maior lutador da terra."

O grande professor foi dormir e O-Nami sentou em zazen tentando imaginar-se como as ondas. Pensou em muitas coisas diferentes. Depois aos poucos ele aprofundou gradualmente a sensação das ondas. Assim que a noite avançava as ondas ficavam mais e mais grandes.

Elas arrancaram as flores em seus vasos. Mesmo o Buda no santuário ficou inundado. Antes do amanhecer o templo era nada mais que o fluxo e refluxo de um mar imenso.

De manhã, o professor encontrou O-Nami, meditando, com um leve sorriso no rosto. Ele deu um tapinha no ombro do lutador. "Agora, nada pode perturbá-lo."- disse ele. "Você é aquelas ondas. Você vai varrer tudo antes de você."

No mesmo dia O-Nami disputou uma luta e ganhou. Depois disso, ninguém no Japão foi capaz de derrotá-lo.

101 Histórias Zen. Zen Flesh, Zen Bone, Paul Reps, Nyogen Senzaki. Disponível em inglês no Google Books.

Obstáculos.

Quando encontra um obstáculo vc. vai em frente ou desiste?

Se vc. chega a um rio e não há ponte o que vc. faz para atravessar para o outro lado da margem?

1.Desiste.
2.Corre o risco de atravessar a nado.
3.Busca uma corda.
4.Chama alguém para ajudar.
5.Senta e espera que alguém construa uma ponte.

A vida é cheia de obstáculos. A prática espiritual, que é a própria vida disfarçada de cotidiano, está cheia de rios sem pontes.