18 abril, 2009

Opções

Não gosto de comparações mas algumas coisas que foram escritas há muito tempo e continuam a serem repetidas como um mantra precisam ser atualizadas.

Não é verdade que o Rinzai está centrado nos Koans. Eles apenas aparecem nas entrevistas e são uma ferramenta para o aluno acessar a "mente que não sabe". Todavia existem muitos Rinzais. O japonês sempre teve fama de ser mais rigoroso e algumas pessoas pensam que pq. no passado se batia nos monges nos mosteiros para forçá-los a um treinamento duro, essas coisas acontecessem em uma sanga de leigos. Posso dizer que não acontece sequer em retiros. Nunca estive em mosteiros Rinzai japonês que usasse esse método mais rigoroso portanto não poderia dizer se ainda é assim, mas como a maioria dos mosteiros recebem mais ocidentais que orientais, há várias opções- desde um retiro mais light àquele mais rigoroso. Isso deve ser esclarecido antes de vc. ir para o lugar para que possa decidir. Todavia o dia-a-dia de uma sanga não é como no mosteiro.

Também dizem que a Soto é só Zazen. Não é de todo verdade, embora seja a prática central. O Soto adota o sistema de perguntas e respostas conhecido como "Mondo". Neste caso somente o aluno pergunta e somente o mestre responde. No Rinzai quem pergunta é o mestre e o aluno dá as respostas. No Rinzai tb. há muito zazen e outros formas de praticar para quem não pode sentar-se rigorosamente em zazen. Pode-se cantar, fazer mantras ou prostrações. Não se fala: "Ou vc. faz assim ou vai embora." Sempre tem opções.

Ambas Escolas usam o Kyosaku (bastão de madeira) para bater, mas somente o fazem a pedido do praticante. No Rinzai Coreano pode-se solicitar que se bata em um dos ombros e tb. nas costas. No Soto apenas no ombro direito. Solicita-se fazendo gasshô quando o kyosaku estiver passando. Este instrumento é usado para dar alívio muscular aos ombros e para despertar aqueles que estejam adormecidos ou distraídos. Esse instrumento foi usado nos mosteiros de uma forma muito rigorosa razão pela qual ainda cause aversão aos praticantes leigos.

Todavia, o treinamento monástico em mosteiro não pode ser levado em conta quando se pratica em um grupo.

Poucos lugares conseguem reproduzir um retiro da maneira que ele é feito no mosteiro pois exige muita disciplina, organização e instrumentos que custam caro para juntar além de um espaço adequado.

Veja um exemplo de treinamento monástico no estilo soto. Incluindo o mondo que é muito parecido com os koans embora seja mais prático e somente o mestre dê as respostas. Isto tudo pode acontecer em um retiro leigo e não é nada demais.

Sem comentários: