28 março, 2009

Qual a Diferença entre Despertar e Iluminação?

Outro dia lendo um texto que diz" Agora a Escola em Súbita e Gradual se biparte", lembrei-me que a Escola Gradual acusa a Escola Súbita de forçar à Iluminação quando na verdade é ao contrário. Quem fala incessantemente em Iluminação é a Escola Gradual. Na Escola Súbita fala-se em Despertar.

Mestre Zen Seung Sahn diz que é possível ter pequenos despertares estando presente 100% no momento. Ele repete incansavelmente: "Momento a momento onde vc. está?" Perdido no Samsara ou presente em cada ação do cotidiano.

Buda teve pequenos despertares graduais até ter um grande despertar. Nem mesmo Ele, despertou subitamente, do nada. Sentou-se em algum lugar e boom! Agora sou um Buda
(O Desperto)!

Não acredito que seja possível derpertar subitamente, mas ter pequenos insigths, despertares, revelações ao longo do Caminho.

Sobretudo é importante não se apegar a essas experiências e fazer da prática uma corrida para obter mais e mais do mesma experiência. Cair nessa armadilha do apego ao insight não leva ao progresso. É como um rato de laboratório correndo atrás de um pedaço de queijo que está muito adiante dele e que ele, levado pelo desejo de abocanha-lo, o persegue, mas nunca chega a alcançá-lo.

Buda de fato ficou radiante quando despertou e quem o via viu-o como se ele fosse dourado como o ouro. Talvez por isso tenha se criado essa metáfora da iluminação do Buda. Mas Buda não era uma lâmpada para se iluminar, era apenas humano como nós somos. Portanto essa ideia de iluminar-se me parece fantasiosa e irreal.

Quando alguém vem com essa conversa de iluminação já esclareço o termo para não ficar no nível da fantasia e sim pé no chão. A pratica é isso: aqui, momento a momento. Não é sonho, nem devaneios iluminado.

25 março, 2009

Ji Jang Bosal Mantra

Ji Jang Bosal



Esse mantra é muito usado quando alguém morre. É chamado Mantra do Grande Voto. Ele diz:"Eu prometo salvar todos os seres. " Livrá-los da morte e do sofrimento. Jijang Bosal é o Bodhisattva Ksitigarbha. No Japão, Jizo Bosatsu. O mantra em japonês é:

On kaka kabi sanmaei sowaka


Arte de Brian Barry

23 março, 2009

Não seja aficionado ...











Avatamsaka Sutra diz:
Muito aprendizado sem
aplicação prática é como um homem pobre contando os
tesouros de outra pessoa, sem ter meio centavo para
si.
Se você quiser descobrir o que este caminho
realmente é, não seja aficionado por aprendizado
acadêmico, seja apenas energético na prática
progressiva.

18 março, 2009

O Ensinamento é sobre esse Momento.

Hyon Gak Sunim, um monge americano ordenado no Zen Coreano em entrevista ao programa I Believe.

Ele fala:"O ensinamento é sobre o que nós estamos fazendo agora. Momento a momento essa é a sua vida."

Observe no início do vídeo as pessoas fazendo prostrações dentro do templo.

15 março, 2009

Mantra contra Língua Suja.

Se o Tom Cruise fica sabendo desse mantra vai querer registrá-lo como propriedade de sua filhinha.

Suri-suri-maha-suri-su-suri-sabaha.

Este mantra (no estilo coreano) é usado para quem costuma falar muito e falar coisas ruins que fazem mal a si mesmo e aos outros, fofocas, calunias, mentiras, palvrões, xingamentos.... Ele serve para controlar esse impulso de falar coisas ruins. Se vc. tem a língua doente, esse é um bom mantra para curá-la.

Cada Bosal no seu Galho.

Alguém passou por aqui procurando o significado de "bosal". Em português vc. sabe o que é, mas em coreano "Bosal" é o termo usado para Bodhisattva e "Bul" para Buda. Assim se alguém te chamar de Bosal em coreano sinta-se honrado.

14 março, 2009

13 março, 2009

Vc. Preenche Formulários antes de ir a Retiros?

Deveria, sobretudo, se vc. tiver restrições: física, de saúde ou de dieta.

Aqui no Brasil somente um lugar pediu-me para preencher um longo formulário e enviou as regras de conduta e funcionamento do retiro. Nos demais, parece que não há essa preocupação e quase sempre com um chorinho as pessoas, mesmo sem terem participado de retiros anteriores conseguem ser aceitas em retiros que deveriam ter restrições.
É muito difícil saber quem vai conseguir seguir o programa do retiro. A pessoa que quer fazê-lo acha que pode, mas nem sempre pode. E não dá pra saber se vc. não conhece a pessoa e não conhece ninguém que possa dar informações sobre ela.

Nos Estados Unidos, sempre preenchi formulários e recebi um guia sobre tudo o que acontece e como proceder no retiro. Chegando no local ainda há uma repassada nas instruções, pois eles sabem que nem todos as leem antes. E este é o último momento para esclarecê-las e se for o caso desistir.

Talvez achemos chato esses procedimentos, mas somente depois que algo acontece com alguém começamos a nos questionar se não teria sido prudente de ambas as partes ter perguntado antes.

Num retiro que fiz nos E.U.A um garoto ficou enrolado com a rapidez em que se comia e não gostou da comida picante. Ele decidiu não comer mais o que lhe era servido. Como ele podia recusar, exceto água e chá, ele parou de comer por três dias. O mestre zen chamou-o e disse que ali ninguém fazia jejum e que não era prática daquele retiro. Ele não podia assumir a responsabilidade de ter alguém sem comer no retiro portanto tempo (sete dias) o rapaz foi convidado a sair. Era seu primeiro retiro e ele deveria ter se informado melhor ou ter optado por um retiro de um ou três dias. Tb. deveria ter sido recusado ou sugerido que fizesse um retiros mais curtos antes de se aventurar em um retiro longo.

Quando o retiro terminou ele voltou ao Centro Zen para a confraternização. Quis saber para onde havia ido depois de ter saído do retiro. Ele disse rindo que foi direto para um fast-food bem conhecido.

Se não lhe pedirem nunca deixe de informar. Não esconda suas limitações vc. poderá por em risco sua vida e a reputação do local em que for. Ninguém poderá se responsabilizar se vc. mentir sobre suas reais condições. Melhor correr o risco de ser recusado do que de ter complicações em um lugar isolado, distante de recursos de socorro.

12 março, 2009

Boa Leitura.










I was twelve years old the first time I walked on water.


Tinha doze anos a primeira vez que caminhei sobre as águas.

[In:Mr. Vertigo. Paul Auster.]

11 março, 2009

Buda de Bigode.












Quando vi esse Buda pela primeira vez num centro zen comecei a rir. A caracterização segue o estilo de cada país. O Buda estilo coreano tem bigodes. O Buda japonês tem o olho puxado, com feições de japonês. O Buda na Tailândia é magrinho e por ai vai.
No meu altar tem um Buda indiano.
Como seria o Buda no estilo brasileiro?

08 março, 2009

Meditação não é só Zazen.

Meditar significa manter uma mente não-movente de momento a momento.

É muito simples. Quando meditamos, estamos apenas usando certas técnicas para controlar nosso corpo, respiração e mente a fim de que possamos cortar todo pensamento e realizar a verdadeira natureza.

Muitas pessoas pensam que, para fazer isso, devemos sentar rigidamente no chão, com as pernas cruzadas em posição de meio lótus ou lótus completo, imóveis feitos estátuas. Tal estilo de meditação não é nem bom nem ruim. porém, ensinar apenas esse método é apego a uma única postura como forma de meditação. É fazer do Zen algo especial. Nós chamamos isso de apego ao
"corpo-sentado."

A verdadeira meditação não depende de como você mantém o seu corpo. O que importa é: de momento a momento, como você mantém a sua mente : como você mantém sua mente não-movente em cada situação?

Então, a verdadeira meditação significa "mente-sentada." Manter uma mente não-movente em qualquer situação ou condição é o verdadeiro significado da meditação. Esse é um ponto muito importante.


Essa deveria ser a sua verdadeira postura.

Mestre Zen Seung Sahn. [A Bússola do Zen,304-306.]

Nuvem e Água.


O mestre Linchi subiu no púlpito e disse: "Uma pessoa está eternamente na estrada, mas nunca saiu de casa. Uma pessoa saiu de casa, mas não está no caminho. Qual delas é digna de receber doações de seres humanos e celestiais?" Dito isso, ele saiu do seu assento de ensinamento.

Como Saber se vc. está Respirando Corretamente?

Encha o pulmão. Esse movimento não deve forçar peito e sim contrair o abdômen. Conte UM para contrair e solte lentamente até o abdômen inflar. Solte todo o ar do pulmão. Você pode contar UM na inspiração ou UM na expiração. Não faça ruído. Deixe a boca fechada. Solte o ar pelas narinas. Quanto mais longo esse processo mais eficaz ele será.





No Yoga faz-se a respiração em oito: o ar entra por uma narina desce até o abdômen e volta saindo pela narina oposta.
Essa respiração geralmente é ruidosa e pode atrapalhar quem está sentado por perto. Portanto em Zazen tente respirar como a ilustração acima.










Ao invés de prestar atenção no abdômen que sobe e desce vc. pode respirar no seu mudra cósmico. Quando vc. inspira os dois polegares se tocam levemente. Quando vc. expira se afastam levemente repetindo o mesmo movimento do hara. Observe seu mudra e veja se vc. está respirando com todo o universo.

05 março, 2009

Qual sua Experiência em Meditação?

Há pessoas por ai dizendo que quanto mais se pratica mais fácil se torna a sua prática. A experiência tem me mostrado que isso não é completamente verdadeiro.
A prática não é como um esporte que vc. melhora a performance ao longo do tempo. Se for para comparar poderia ser como tocar piano. Se vc. não pratica precisa começar sempre do zero, mas se mantém uma prática contínua vc. mantém-se ativo. Todavia manter-se ativo não significa que vc. será um Mozart, mas que poderá tocar piano quando quiser, onde quiser. Assim como é raro aparecer um Mozart, tb. deve ser raro aparecer um Buda Shakyamuni.

A prática depende muito do carma de cada um. Pode ter momentos de quietude e pode ter momentos de turbulência. Pode ter altos e baixos o tempo todo. Pode ser como ondas do mar quebrando na rocha e pode ser ondas escorrendo suavemente na praia. E tb. pode ser que não aconteça nada. Principalmente se vc. espera que algo aconteça.
Se praticar com moderação vai ter "resultados" ao longo prazo. Se praticar forte vai mexer mais rápido em sua estrutura de mente. Se for uma estrutura mais saudável que doente sorte sua, mas se for uma estrutura mais doente, cuidado vc. pode estar acordando algo com o qual não saberá lidar e não terá ainda uma estrutura forte para suportar.

Praticar com algum tipo de expectativa não é bom nem ruim, mas não é esse o objetivo claro da prática: barganhar coisas com o universo. Tudo o que vc. tem ou terá já está com vc. O que precisa é buscar o equilíbrio aparando os excessos tanto para mais quanto para menos. Nem prática demais, nem prática de menos. Nem apego demais, nem apego de menos. Nem desejo demais, nem desejo de menos. Apenas encontrar medida certa já é um grande achado.

O que eu sempre digo é que por mais que se pratique jamais se pode dizer que se é experiente nesse quesito. Quando tenho que preencher formulários que perguntam qual minha experiência anterior sempre me pego rindo, embora tecnicamente seja uma forma de avaliar a pessoa que está se candidatando a uma vaga no retiro.

Por mais tempo que eu tenha sentado, seja em que lugar for, cada dia que sento é tão difícil quanto os primeiros dias em que sentei. Cada dia é um novo começo.

Em oito anos nesse caminho, me sinto ainda um bebê engatilhando. Já sei por onde ir para não me ferir, mas às vezes ainda esqueço e me deixo levar pela curiosidade ou ponho "a mão" onde não devia. Ai sim, aprendo, pela via do sofrimento, mas há muito ainda a ser desvendado e muito a ser explorado, muito a ser testado. Não conheço a mim mesma e não conheço profundamente ninguém para dizer: Heis ai alguém que me inspira a seguir no Caminho. Por um tempo precioso tive alguém que me puxou para os trilhos.

Embora já tenha experimentado "ishin denshin" a conexão "mente com mente", no momento não há ninguém que me inspire nesse nível e sinto essa ausência, mas não tenho pressa em achar outra conexão.

02 março, 2009

Casamento Budista

Na cerimônia de casamento no estilo Kwan Um os votos são baseados no Nobre Caminho Octúplo.


1.Opiniões: Nós nos comprometemos em nossa vida de casados , juntos, continuamente ir além das visões pré concebidas de cada um e ver claramente.

2. Pensamentos: Nós nos comprometemos em deixar ir os sentimentos que veem dos nossos desejos egoístas, apegos, medos, abrindo assim, nossos corações um ao outro.

3.Açãos: Nós nos comprometemos um com o outro e com todos os seres.

4.Fala Correta: Nós nos comprometemos a não produzir fala rude ou falsa com cada um e com os outros.

5. Modo de Vida: Nós nos comprometemos a praticar ocupações pacificas e éticas e ajudar uns aos outros no nosso trabalho.

6.Atenção: Nós nos comprometemos a ajudar um ao outro para criar um lar compassivo e amoroso.

7. Sabedoria: Nós nos comprometemos sempre estar atentos um ao outro e deixar ir nossas ideias e crenças assim nós poderemos ver um ao outro com clareza.

8. Meditação: Nós nos comprometemos a encorajar um ao outro a seguir o Caminho de Boddhisattva juntos.

Na foto Algernon D´Amassa. Professor do Dharma Sênior realizando cerimônia de casamento.




Fonte