24 novembro, 2006

Existem três coisas em nossa vida:

A primeira
: uma parte de comida. Na nossa vida cada um de nós tem o direito a uma parte de comida. Não sabemos qual quantidade, mas uma parte de comida nos é devolvida nesta terra.

A segunda
: uma parte de vida. No nosso nascimento, nossa vida já está contada, mas não sabemos disto.

A terceira: uma parte de felicidade. De felicidade na existência.

Se reunirmos estas três partes completamente, é uma vida maravilhosa.

Quanto a isso, há uma história engraçada. Uma pessoa morreu. Naturalmente, foi direto para o inferno. O Senhor dos Infernos começou a consultar o Livro, verificando a identidade dessa pessoa, os atos que ela cometeu, e não achando nada disse: - Que faz você aqui? Não devia estar aqui. Então, consultou novamente seu Livro e disse: -Ah, compreendo agora. É que acabou a parte da comida. Sua parte de comida se esgotou pelo desperdício, mas você ainda não terminou sua parte de existência. A pessoa perguntou: -Que farei então?
-Volte lá para baixo. Finalmente lhe enviaram de volta para a terra. Ele saiu de seu caixão, renasceu e viveu de novo e se diz que dali para frente nada mais pode comer senão folhas de lótus. Esta história nos mostra a parte de comida, a parte de vida, e a parte de felicidade.

Tokuda Sensei

Em tempos de anorexia é de se pensar: será que a "parte de comida acabaou"?

20 novembro, 2006

Cuidado

"Tem cuidado contigo. Sempre que, à medida que fores crescendo, tiveres vontade de converter as coisas erradas em coisas certas, lembra-te que a primeira revolução a fazer é dentro de nós próprios, a primeira e a mais importante. Lutar por uma ideia sem se ter uma ideia de si próprio é uma das coisas mais perigosas que se pode fazer.
(...) E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieto, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar.

" Vai Aonde Te Leva O Coração " - Susanna Tamaro

Pintura de Valdiney Sousa Suzart. Clique nela para ampliar.

18 novembro, 2006

Pais & Filhos

Minha tia disse que "os filhos nascem para ensinar algo aos pais."

Infelizmente somos tão egoístas que só olhamos o caminho inverso: os país é que devem nos ensinar. E eles ensinam. O tempo todo. Com exemplos bons ou ruins, com palavras doces ou duras e até com o silêncio. Só aprendemos a ouvir com o tempo e a maturidade. Estamos sempre muito centrados em nós mesmos, em nossas necessidades. Não há tempo para olhar em volta e perceber a riqueza que o universo nos oferece.
Que todos tenham tempo de perceber o tempo perdido reforçando o "Eu, Meu".

15 novembro, 2006

Retiros Avançados.

Há algum tempo atrás fiz um retiro solitário. O lugar foi escolhido ao acaso. Na verdade o lugar que escolhi não deu certo. Tentando sair desse lugar me perdi no meio da mata fechada e fiquei 8 horas andando até achar a saída. Minha sorte é que eu estava em uma ilha e sabia que andando para sul, norte leste ou oeste eu acabaria chegando até o mar. Quando vislumbrei depois de vários tombos, descidas de tobogã em pedras, tropeços e pisões em bromélias cheias de água, uma visão de mar azul, pensei estou salva. Cheguei num lugar que até uma bica d´água tinha. Era um costão onde as ondas estouravam. Também havia uma pedra enorme em cima de outra formando uma semi caverna onde eu podia me proteger do sol, vento e chuva. Pretendia ficar semanas, mas só aquentei uma semana. Era verão e o trânsito na trilha que passava perto, o trânsito de barcos no mar e a presença de catadores de mariscos me incomodava. Imagino que o maior problema de um retiro solitário sem nenhum conforto, ao ar livre é a insegurança de aparecer alguém. Um homem pode até passar desapercebido mas uma mulher complica. O medo foi um obstáculo muito grande. Mas o medo ao mesmo tempo me deixava 100% desperta. Não havia como dormir porque qualquer ruído era maximizado. Eu tentava dormir em cima de uma grande pedra mas as baratinhas do mar andavam por todos os lados e tinha medo que entrassem nas roupas. As ondas quebrando na pedra me davam a sensação de que iriam vazar para onde eu estava e me arrastar para dentro do mar. Até medo de tomar banho gelado eu tive.Tortura total.

Esse tipo de retiro é um passo muito avançado e não deve ser feito sem que outras etapas da prática já tenham sido testadas. Minha professora quando soube não gostou nem um pouco.

Na Escola Zen Kwan Um este tipo de retiro solitário é frequente. Há lugares específicos em mosteiros e em montanhas próximos aos mosteiros que são reservados para essa finalidade. Não são incentivados pois nada nessa Escola é sugerido ou incentivado. Cada um deve saber de si. Consultar seu mestre antes é fundamental, pois ele é responsável por vc. e se lhe acontecer algo a ele caberá responder por isso. Portanto não devemos ser irresponsáveis.