27 junho, 2004

Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

Caetano Veloso

De todo o meu passado

Boas e más recordações

Quero viver meu presente


Nessa vida passageira

Isso é o que mais me agrada

Isso é o que me faz dizer

Que vejo flores em você


Ira! [Flores em Você]

25 junho, 2004

"Quando você está iludido, até mil escrituras não são
suficientes. Quando você entende, uma única palavra é
demais"[Mestre Fenyang]

23 junho, 2004

Tai chi chuan

Inspiro. Wu dji sz.
Senta na calma.
Os movimentos são golpes.
Expiro. Concentro-me na
almofada e o vermelho toma conta do olhar.
Lentamente,lan tcha ue.
Avanço à esquerda. "Olha o peso na
perna!", pipoca da lembrança a recomendação do mestre.
A delicadeza mal oculta a intenção no gesto.
Alisa a cauda do pássaro e, agora sim, shao po pipa.
Você é o chicote.
Não há treino que me prepare para as palavras.
Alheio, Átila entra, afia as garras no tapete e bebe
água da fonte artificial.
Tsui lo tchiao pu é o meu
movimento, mas nada no gato que se espreguiça lembra a
"postura do ataque do felino".
Átila é irônico por
natureza. Tento conter a inquietação.
A violência é maior quanto menos se vê.
Nas palavras, por exemplo.
No desejo.
Tii shao can szi e a garça abre as suas
asas devagar.
Átila corre. Ele sabe que a garça
enfrenta o nada calculando milimetricamente o golpe
lento. Os dedos levemente entreabertos, o pulso
quebrado no ângulo certo, e a tensão se traveste de
sutileza.
San shao pipa, corda esticada de violão
chinês. Pés sempre firmes no chão e resto flutuando
com as memórias.
Transformo em gestos precisos a minha
violência cinza, mas você é o chicote.
Estalam no pensamento as suas palavras mais belas, as mais
exatas.
Explodem em vermelho as que jamais serão
ditas. Pan lan tchiao ue e assim estilizo o gesto de
agarrar a cauda do pássaro que não está mais ali. A
mão desliza à frente no gesto de defesa. "Dá o passo!
Olha o ângulo do pé", grita o mestre do passado. Presa
à serenidade em movimento, continuo lutando
vagarosamente contra o que não existe. Wu dji tze.
Fecho a forma. O silêncio é o supremo último golpe.

Ponto Final

21 junho, 2004

"Carpe Diem" quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente.

Site do Rubem Alves

19 junho, 2004

Já recebi dois convites...Penso, para quê, mais uma distração.
Parte do meu esforço é para me livrar das distrações.


Descrição de alguém no Orkut

«Não ligo para aquilo que os meus inimigos pensam de mim.
O que eles pensam nada revela a meu respeito - mas diz muito sobre as condições do seu trato digestivo.
Nietzsche dizia que havia pessoas que não gostavam dele porque suas palavras eram fogo para suas bocas.
Mas as palavras, como as pimentas, podem ser fogo na boca e fogo em outro lugar.
Quem diz que não gosta de pimenta, fico logo suspeitando que sofra de hemorróidas. Assim, não ligo se alguém pensar mal de mim.
Mas, se os meus amigos pensarem mal de mim - isso sim vai me causar sofrimento.
Se pensam mal de mim sendo meus amigos, isso quer dizer que existe uma pitada de verdade nos seus pensamentos. Os pensamentos dos amigos são espelhos.
Aí vou ficar com vergonha e vou começar a fugir da presença deles.»

(Rubem Alves, in Transparências da eternidade, pág. 59)

18 junho, 2004

Ouço essa canção na Itapema FM
[Ainda não sei quem canta nem o autor(a)]

Não tenho medo da vida.
Tranquila, levo a vida tranquila.
Não tenho medo do mundo.
Não vou me preocupar.

Que me passe a doença,
que me passe,
a pobreza,
que me passe,
a maldade,
que me passe,
o olho grande,
que me passe,
a má sorte,
que me passe,
a inveja,
que me passe,
a tristeza da guerra

Tranquila,
levo a vida tranquila.
Não tenho medo da morte.

Não vou me preocupar,
Não vou me preocupar,
Não vou me preocupar.

ouça vc. também

17 junho, 2004

"Partidas para o Nirvana"


Já entrou em nossa cultura popular - já comi em restaurantes chamados Nirvana, ouvi a música do grupo Nirvana e vi um anúncio da United Airlaines, apresentado no Yahoo!, dizendo: "Partidas para o Nirvana. Compre agora!" Embora fosse fácil e até apropriado censurar a degradação do seu significado, o fato de que "Nirvana" entrou no nosso léxico cultural sugere, pelo menos em algum nível, um reconhecimento do seu significado definitivo.
Na Índia a expressão Nibbana também tem uso popular, embora esteja de alguma forma mais próxima dos seu significado real.Ajahn Buddhadasa, famoso mestre tailandês do século XIX disse que, quando os aldeões da ìndia cozinhavam arroz e esperavam que esfriasse, podiam comentar: "Esperem um pouco para o arroz se tornar nibbana." Então aqui "nibbana" significa o estado mental cool ( que quer dizer ao mesmo tempo tranquilo e frio), livre de paixôes provenientes de falhas. Como comentou Ajahn Buddhadasa: " Quanto mais calma (cool) a mente, mais Nibbana naquele momento."

Continua...

Joseph Goldstein [Dharma]