30 maio, 2004

Meu interior,
o mestre,
está perto.
Acorda, acorda!

Corra para junto dele-
Você dormiu por milhões de anos,
Por que não acordar agora.

Kabir
A maioria dos problemas do mundo seria solucionada se as pessoas pudessem aprender a ficar tranqüilamente num quarto.
Pascal

Se você subitamente se tornar perceptivo no meio da raiva, sentirá uma paz que nunca sentiu antes. A energia estava se movendo e subitamente, pára. Você encontrará o silêncio, o silêncio imediato. Cairá em seu ser interior e a queda será tão repentina que você se tornará receptivo. Não é uma queda lenta, é tão abrupta que você não pode deixar de se tornar perceptivo. Só é possível permanecer não perceptivo com coisas rotineiras, com coisas graduais, quando você se move tão lentamente que não pode sentir o movimento. Isto foi um movimento súbito, passando da atividade para a não-atividade, do pensamento para o não-pensamento, da mente para a não-mente.

Osho [ O Livro da Transformação-Histórias e Parábolas das Grandes Tradições....Sextante, 97-8.]
Algumas Armadilhas ao Longo do Caminho

Se você seguiu a longa trilha de toda uma vida da concentração, o maior obstáculo em potencial em alguns pontos de sua jornada será, sem dúvida nenhuma, sua mente pensante.

Por exemplo, você às vezes, pode pensar que, de tempos em tempos, estava chegando a algum lugar, principalmente se você tem alguns momentos de satisfação que transcendem o que você vivenciou antes. Então você pode sair por ai pensando, até mesmo dizendo que chegou a algum lugar, e que a prática da meditação ?funciona? O ego quer reivindicar o crédito desse sentimento especial de compreensão, qualquer que seja ele. Quando isso acontece, você não está mais fazendo meditação, mas a sua publicidade. É fácil se ver apanhado nessa situação, usando a prática da meditação para apoiar o hábito de inflar o ego.
Ao ser apanhado nessa situação você deixa de ver as coisas claramente. Mesmo um insight preciso, no momento em que ele é reivindicado pelo pensamento a seu serviço, rapidamente turva tudo e perde sua autenticidade. Então você terá que se lembrar que todas as colorações do "eu", "meu" são simplesmente correntes de pensamentos possíveis de afasta-lo do seu próprio coração e da pureza da experiência direta.
Esse lembrete mantém a prática viva para nós exatamente nos momentos em que mais precisamos dela e quando estamos mais propensos a traí-la. Ele nos mantém olhando profundamente, com espírito de indignação e curiosidade genuína e perguntando-nos constantemente: "O que é isso?", "O Que é isso?"

Ou quem sabe, uma vez ou outra você pode se ver pensando que não está chegando a lugar algum na sua prática de meditação. Nada do que você queria que acontecesse aconteceu. Há uma sensação de impasse e tédio. Aqui novamente é o pensamento que é o problema. Não há nada de errado com os sentimentos de tédio ou de impasse, ou de sentir que você não está chegando a lugar algum, como não há nada de errado com o sentimento que você está chegando a algum lugar e, na verdade, sua prática pode estar mostrando sinais de estar se tornando mais profunda. e sólida. A armadilha é quando você supervaloriza tais experiências e pensamentos e começa a acreditar nelas como algo especial. É quando você fica conectado à sua experiência que a prática estaciona e o seu desenvolvimento para junto com ela.

Jon Kabat-Zinn [A Mente Alerta, Objetiva, p. 258-60]

27 maio, 2004

Dicas para ficar zen no dia-a-dia

Comece o dia sentado com a coluna ereta (pode ser numa cadeira), perceba sua respiração, os batimentos do seu coração, suas tensões, seus pensamentos. fique assim por alguns minutos, depois respire fundo e vá para o mundo disposto a aceitar o dia como ele vier,como se fosse o primeiro dia de sua vida.

Preste atenção em tudo que fizer e olhe as ações e os comportamentos repetitivos como uma nova oportunidade de perceber a vida com mais cuidado e amor.

Viva o momento presente. O passado já se foi e o futuro ainda não existe. O aqui e o agora são a única realidade.

A respiração tem o poder de mudar rapidamente seu estado de alma. Em situações de estresse, ansiedade, raiva,tristeza, acalme sua respiração e tenha em mente que todas as situações são passageiras, que tudo está em constante transformação.

Em cada gesto simples do cotidiano, você pode descobrir novos prazeres. Saboreie a água e cada alimento como um bem precioso, uma fonte de energia vital. quando estiver comendo ou cozinhando, não desperdice.

Simplesmente seja o que é, aceite seu corpo e seus pensamentos.
lembre-se de olhar para o céu. Isso expande os límites da mente e nos recorda que somos uma pequena parte do imenso Universo, que sempre em movimento.
Ao falar, use palavras de carinho e respeito, pois você está diante do outro ser humano, seja quem for.

Reserve algum tempo e apenas fique sem fazer nada!
não pense, não contemple, não deseje mudanças.

No trânsito, mantenha-se atento e gentil com os outros motoristas. Peça e dê passagem. se ficar muito alterado com a espera, tenha no carro um CD de música tranquila. Isso baixa a ansiedade e suavisa a raiva e a impaciência.

No trabalho, quando estiver numa situação de conflito au receber uma provocação, não reaja imediatamente. respire e preste atenção, pois sempre há uma maneira de resolver as questões de forma pacifica, com respeiro e amorosidade. Caso contrário, você entra em sintônia de ações e pensamentos negativos, ruins para os outros e para você.

Mexer no jardim Zen ( uma caixa de areia com algumas pedras) é uma forma de aquietar a mente e uma metáfora da vida: tudo está mudando a todo momento, um dia é diferente do outro e voc~e pode criar o seu presente.

Tenha um projeto de vida, mas esteja aberto para perceber as indicações do caminho. seja flexível como os galhos de uma árvore ao vento, assim nada pode quebrá-lo.

Lembre-se deste provérbio chinês: os mestres podem abrir a porta, mas só você pode entrar.

Acenda um incenso. Ele marca o tempo de sua meditação ou qualquer outra atividade e purifica o ambiente. Além disso, segundo os monges zen-budistas, a fumaça espalha bem-estar para todos os seres e eleva nosso espírito.

Liliane Oraccio. Muitas Maneira de Ficar Zen [in: Rev. Bons Fluídos-Meditação, (60),(05-04),p.20-5.]

24 maio, 2004

Okido Yoga

Lembro de ter lido um livro em italiano sobre Yoga de Masahiro Oki. Agora achei um " site sobre esse estilo de yoga.

22 maio, 2004

Pondo Rótulos nos Pensamentos

Estou experimentando a prática de pôr rótulos nos pensamentos.
Quando vem algum julgamento vc. rotula "julgamento", até que o julgamento desapareça e fique apenas o olhar de fora. vc. vê mas não pensa nada a respeito do que vê, apenas vê. Parece estranho porque há uma energia muito forte para "conversar, tagarelar", mentalmente e oralmente também a respeito de tudo, principalmente dos outros.
Há um professor que propôe que se use os rótulos não da maneira hábitual já bem conhecida no zen: "julgando, pensando, comendo, caminhando, respirando...", mas também nas histórinhas que ficamos repetindo o dia todo, sobre vários assuntos chamado-os de "fitas". Como se fossem filminhos mentais.

-Fita do trabalho- quando começamos a pensar em cosias do trabalho fora dele.
-Fita do relacionamento- quando começamos a pensar em alguém de nossos relacionamentos, do presente, do passado ou do futuro (idealizando)
-Fita da família- quando começamos a pensar em em alguém da família, lembranças que nos trazem resentimentos, ou preocupações com filhos, conjuges, etc.
-Fita da escola....
-Fita da prática...
-Fita da viagem, passeio,, férias...

E assim por diante, cada um vai identificando as suas e rotulando-as de fita de alguma coisa.

Aprender, praticar é basicamente lembrar de voltar ao momento presente.
Se magoei ou causei dano a alguém com meus
pensamentos, palavras e ações, pesso perdão.
E livremente perdôo qualquer pessoa que possa ter me magoado
ou causado dano.

21 maio, 2004

Quando uma casa está em chamas, o fogo é apagado com água. Da mesma maneira, a pessoa sábia, madura, hábil e auto confiante apagará a dor logo que ela surge, como o vento soprando para longe uma bola de algodão.

A pessoa que busca sua felicidade deve remover o dardo- que ela própria cravou em si,do sofrimento, desejo e desapego. A pessoa que retirou o dardo, que está livre do apego, e da dor, obtém a paz de espírito, fica tranqüila.

Nipata Sutra [ Adaptado de H. Saddhatisa]

20 maio, 2004

O que vale mais, uma multidão com milhares de pessoas ou sua solidão
autêntica?
Liberdade ou poder sobre uma nação inteira?

Alguns momentos em seu quarto serão mais valiosos do que qualquer
outra coisa que pudesse, algum dia, ser oferecida.

Rumi, The Essencial Rumi.

19 maio, 2004

Receita de Granola

Granola é uma mistura de cereais com frutas secas e outros ingredientes como passas, ameixa seca e castanha de caju, casyanha do Pará, coco, etc. Dá para variar nos ingredientes ou fazer só com os cereais e depois acrescentar frutas frescas na hora de comer.

Receita para 500 g


500g de aveia em flocos prensados
500g de aveia prensada em flocos finos
500g de farinha de aveia
200g de gergilim integral
200g de ameixas em pedaços
200g de castanha de caju picadas
100g de uva passa
500g de açucar máscavo
500g de extrato de soja
200g de farelo de trigo
100g de farelo de aveia
300g de flocos de milho sem açucar
200g de coco ralado
1 1/2 copo de mel
1 1/2 copo de óleo de girassol

Aqueça o óleo o mel e misture a aveia, a farinha de aveia, e o coco, o gergilim e a castanha de caju. leve para assar até dourar. Deslique o forno e adicione as ameixas e as uvas-passas. Depois de frio misture o farelo de trigo e de aveia e os flocos de milho, o extrato de soja e por fim condicone em um pote fechado.

Receita fornecida pela "Mãe Terra" produtos Naturais. In: Rev. Vida Simples. (15)(04),2004. p.61.


18 maio, 2004

Dúvida

Para que a fé esteja assentada na experiência, deve ser também suficientemente aberta para incluir a dúvida.

Se usamos a fé para afastar a dúvida construímos uma muralha defensiva que mantém fora quaisquer perguntas perturbadoras, evitando o reconhecimento dos nossos medos e incertezas. A amplitude da fé nos permite conviver com tudo o que possa surgir, investigando a própria natureza da dúvida e quaisquer outras que apareçam.
Abraçando habilmente a dúvida, fortalecemos a fé.

A dúvida é o difícil estado mental da perplexidade. É como estar numa encruzilhada e não saber que caminho seguir. Vamos de um lado para outro, entre alternativas e, depois, ficamos paralisados pela confusão e indecisão. Quando a dúvida é esmagadora, não podemos nos mover. Ela não nos dá nem mesmo a oportunidade de virar para o lado errado e aprender com nossos equívocos.

Quase todas as tradições falam da dificuldade desse estado e de como ele é comum em nosso caminho em diferentes ocasiões. A dúvida pode assumir muitas formas.
Algumas vezes é dúvida sobre nós mesmos, sobre nossa capacidade de praticar e seguir pelo caminho. É a voz que diz ? Não posso fazer isso. É difícil demais. Talvez em alguma outra ocasião.? Talvez seja dúvida sobre nossos mestres quando começamos a ver as suas falhas e limitações. Pode ser sobre nosso caminho. ?Que benefício pode trazer ficar sentado observando minha respiração? (ou qualquer outra prática em que estejamos empenhados). Na verdade isso é inútil.?

A dúvida é muito sedutora, porque vem mascarada de sabedoria. Ouvimos dentro de nossas mentes essas vozes, que soam sabias, tentando resolver os dilemas, dificuldades e paradoxos da nossa experiência por meio de pensamentos respeitadores. Mas pensar pode levar-nos apenas até determinado ponto. É como tentar conhecer a experiência da música lendo um livro sobre ela ou saber de uma boa refeição, olhando para o cardápio.Precisamos de alguma outra maneira para entender a natureza da dúvida. Para podermos enfrentar de forma apropriada as preocupações que ela nos causa.

O primeiro passo é reconhecer que a mente incerta está presente e, reconhecendo isso, familiarizarmo-nos com suas várias vozes. Se tivéssemos consciência dessas vozes como fitas gravadas mentais, apenas outros pensamentos na mente, é menos provável sermos seduzidos por seus conteúdo. Nesse momento, tiramos seu poder: ?Não posso fazer isso? torna-se apenas um pensamento. Podemos então fazer valer a sabedoria no próprio processo da dúvida, notando como ela nos afasta da experiência direta do momento.

Joseph Goldstein.[Dharma- O Caminho da Libertação, Bertrand, 60-1]

15 maio, 2004

Atenção plena é a raiz do Dharma.
Atenção plena é o corpo da prática.
Atenção plena é a fortaleza da mente.
Atenção plena é a ajuda para a sabedoria do estado desperto inato.

Se faltar atenção plena , você permite que as forças negativas o vençam.
A falta de atenção plena é causa de atos maldosos.
Sem atenção plena e presença de espírito nada se pode realizar.
A falta de atenção plena empilha uma porção de merda.
Sem atenção plena você dorme num oceano de mijo.

Sem atenção plena, você é um zumbi com coração; um cadáver ambulante.
Queridos amigos na Dharma, por favor, tenham atenção plena!

Nyoshul Khen Rinpoche. In: Dharma. O Caminho da Libertação. Joseph Goldstein, Bertrand,98.

13 maio, 2004

O site do Prof. Hermogenes tem animações das posturas de hatha yoga e muito mais.
Você acha que conseguiu entender a vida ou ainda há o mistério?
- Cada vez entendo menos, por isso é fascinante, por isso escrevo. Escrevo para entender. Sobre o que não entendo. O dia que tiver compreendido tudo, deixo de escrever porque ai terei perdido o interesse. A vida é mistério,e, por issi ela é fascinante.

Reinventando a Vida: Conversa com Lia Luft. In: Rev. Vida Simples. (15)(04)2004,p.52.

12 maio, 2004

Só amanhece o dia para o qual estamos despertos
H.d. Thoreau, Walden

Sempre quis ler este livro, Walden, mas não sei porque ainda não o li.

É uma espécie de manual de auto suficência.
Uma experiência que o autor se propôs, de volta à natreza. Algo como:
"Vamos ver se eu consigo viver como um silvícula, alguém completamente auto suficiente, que consegue construir sua casa por si mesmo e viver do que a natureza lhe dá como os primeiros colonizadores que não encontraram nada pronto.

Essa experiência trouxe valiosos insights para Thoreau. Tanto que muitos consideram Walden mais um relato do amadurecimento espiritual do autor do que uma aventura na selva. Ele poderia ter ido escalar o Everest, mas preferiu construir passo-a-passo sua fortaleza interior.

Leia um Capítulo Leia um Capítulo

10 maio, 2004

Dando o primeiro passo do dia

Andar sobre a face da terra é um milagre!
Cada passo dado com plena atenção revela
a maravilhosa essência de tudo o que existe.

Este poema pode ser recitado quando nossos pés tocam o
chão ao sairmos da cama, durante a meditação andando
ou toda vez que levantamos e cantamos.
Andar sobre a face da terra é um milagre! Não
precisamos andar pelo espaço sideral ou sobre as águas
para sabermos o que é um milagre. O verdadeiro milagre
é estarmos despertos no momento presente. Caminhando
sobre a terra, compreendemos a maravilha de estarmos
vivos. Dando passos dessa maneira a luz de tudo o que
existe brilha.

Thich Nhat Hanh [Momento Presente. Momemnto
Maravilhoso,Sextante,p.12]

Nota 1.A palavra Dharmakaya foi substituida por
"essência de tudo que existe"

Nota 2.O poema que aparece antes do comentário é
chamado de gatha. São verso, em forma de oração, para
serem recitados antes de algumas atividades em
mosteiros. TNH sugere que caso vc. não consiga lembrar
dos versos que ele compôs, que vc. crie os seus
próprios versos.

Nota 3. O autor sugere que se caminhe sobre alguma
vegetação verde para sentir a energia da natureza.



09 maio, 2004

Buda disse que mesmo que carregassemos nossos pais nas costas por muitas vidas não conseguiriamos pagar a preço deles terem nos dado essa vida precisosa.
Então se hoje vc. tem uma mãe por perte abrace muito ela.

07 maio, 2004

Não é cerveja, mas experimente está prática!

Thich Nhat Hanh, monge vietnamita escreveu um livro [Momento Presente - Momento Maravilhoso] onde ele parte de versos compostos por ele a partir de gathas [versos que são usados para serem recitados durante algumas atividades de monges e monjas nos mosteiros para que estejam presentes em cada uma dessas atividades, algo parecido com uma oração]. Ele sugere que pratiquemos com atividades corriqueiras como acender a luz, varrer, usar o banheiro, abrir e fechar portas e janelas, subir e descer escadas, etc, coisas que fazemos todos os dias. A finalidade é estar presente no momento em que se realiza cada atividade, em comunhão com o universo.

TNH sugere que caso não se consiga lembrar dos versos que ele compôs, podemos criar os nossos versos para cada ação. Também sugere que se permaneça um tempo praticando em cada uma das ações, até que a mente já esteja presente na ação, para depois passar para a seguinte, mantendo as anteriores. Assim se você começar a praticar com "acordando" mantenha-se nessa ação por um tempo até lembrar de estar presente no ato de acordar. Se vc. quiser, TNH sugere que se coloque um cartaz próximo da cama, ou pendurado sobre ela ou na janela com algo escrito, como por exemplo: "Sorria, vc. está vivo!" ou outra coisa que lhe lembre de acordar.

É interessante que se escolha uma seqüência de ações que realizamos todos os dias desde acordar até voltar para a cama novamente, assim ao longo do tempo estaremos caminhando numa trilha conhecida e nossa mente irá lembrar das ações que esquecermos e nos trazer de volta para elas, para o momento presente.

Posso dizer por experiência própria que essa prática funciona e é uma maravilhosa forma de praticar no dia-a-dia, e mais qualquer um pode fazer até mesmo crianças e quem esteja doente.

Com minha professora fazemos a mesma prática, apenas não recitamos versos enquanto estamos fazendo alguma atividade. Mas podemos repetir "varrendo", por exemplo, e se a atenção encapar ficamos repetindo "varrendo..." até ela voltar para aquele momento e o ato de varrer.

Essa prática se chama "Vinte Passos para o Despertar". Escolhemos 20 itens e ficamos em cada um por uma semana, mantendo os anteriores. Ao final serão 20 semanas. É muito raro alguém chegar ao final e conseguir estar presente nos 20 itens, mas isso não importa, o importante é experimentar essa prática e tentar leva-la a diante, sem expectativas de qualquer resultado.

Experimente!

04 maio, 2004

VENHA COMO VOCÊ É

Venha como você é, como você foi
Como eu quero que você seja
Como um amigo, como um amigo
Como um antigo inimigo

Vá no seu ritmo ou se apresse
A escolha é sua, não se atrase
Descanse como um amigo
Como um antigo inimigo
Memória, memória
Memória

Venha enlameado, ensopado em cal
Como eu que você seja
Como uma tendência, como um amigo
Como um velho inimigo
Memória, memória
Memória

E eu juro que não tenho uma arma
Não, não tenho uma arma
Não, não tenho uma arma

Nirvana [Came As You Are]

02 maio, 2004

Se vc. fosse atravessado por uma flecha o que vc. faria?
Tentaria tira-la ou a deixaria ali.
O que doeria menos?

Ando por ai com uma flecha atravessada. Depois de tentar tira-la entendi que
terei que esperar que ela se dissolva.
Se a flecha for de madeira poderá se dissolver mais rápido.
Se for de ferro ou metal ou aço por um longo tempo irá me acompanhar.
Se for de plástico, ai de mim, quantas décadas a terei por companhia.
Aprenderei muito com ela, seremos um só e às vezes até esquecerei da dor.