29 abril, 2004

Os Budistas não reverenciam nenhum Deus

Buda não é considerado um Deus pelos budistas por isso não deve ser reverenciado ou adorado como tal.
Os budistas não acreditam em um deus todo poderoso que criou o mundo e o protege.
O Buda histórico não é reverenciado como um deus e sim como um ser humano que conquistou a iluminação por seu próprio esforço.
Através de seus ensinamentos e exemplos, outros seres humanos têm a oportunidade de despertar para sua verdadeira natureza aqui e agora.

Os budistas marayana e zen budistas também reverenciam os bodissatvas, que são seres perfeitos que atingiram a iluminação e portanto poderiam entrar em Nirvana mas que por compaixão abdicaram dele para renascer incontáveis vezes e assim ajudar outros seres a alcançarem a iluminação.

O bodissatva mais reverenciado é Avalokitshnara, o Bodisattva da Compaixão que pode ser representado com aspecto feminino ou masculina e contém um milão de olhos e braços para acolher e ajudar todos os que sofrem. Há um mantra que os budistas recitam para conectar-se com Avalokiteshvara.

24 abril, 2004

Meu amigo sempre atento me avisou que a Varig já está voando para a África do Sul.
Uau! J' Bay, lá vamos nóis!

22 abril, 2004

When I rise, let me rise like a bird, joyfully.
And when I fall, let me fall as leaf, gracefully, without regrets.
And when I stand, let me stand like a tree, strong and tall.
And when I lie, let me lie like a lake, peacefully, calm and still.
When I ply, let me ply like a breeze, refreshingly, light and clear.

Tich Nath Hahn

18 abril, 2004

O que é essencial


Agora que sua jornada meditativa está em curso convém lembrar os pontos
essenciais par auma meditação bem sucedida, para sedimentá-lo, explorá-los melhor e
aprofundar-se nos recessos de sua mente.
A base de toda a meditação é a capacidade de focalizar em um estímulo específico, sem ser
distraído por pensamentos, sentimentos ou desconfortos físicos sem importância. Por meio da prática
meditativa regular, a mente se acalma e clareia, e a percepção aumenta.
O meditador tem de ser paciente e se empenhar. Muitos iniciantes dizem que são incapazes
de concentrar a mente e pensam que a meditação não serve para eles. Mas justamente porque a mente
devaneia é que precisamos meditar.
Para começar, comprometa-se a meditar alguns minutos por dia durante um mês.
À medida que progride, vc. pode aumentar o tempo aos poucos,
até que esteja meditando meia hora por dia, talvez um duas sessões de quinze minutos.

David Fontana [Aprenda a Meditar, 57. Publifolha]

15 abril, 2004

12 abril, 2004

Como Concentrar uma Mente Instável


Um dos objetivos da meditação é nos ajudar a pôr ordem na confusão e não nos impedir de pensar.
Todo mundo descobre muito cedo que a mente parece escapar ao controle. Nunca foi treinada para saber o que se espera dela: nossa educação está voltada para nos ensinar fatos que não têm nada a ver com a mente propriamente dita e com o potencial que está no seu âmago.
O treinamento gradual da meditação regular permite que a pessoa se mantenha concentrada em pensamentos construtivos, eliminando as distrações e incentivando o processeguimento de sua jornada meditativa.
A mente possui diversas maneiras de distrair nossa concentração. Pode começar com trivialidades, mas quando nos resusamos a deixa-la entrar em devaneio ela prossegue com questões mais preocupantes. Trará à tona lembranças felizes ou desagradáveis ou nos lembrará de coisas urgentes que temos de fazer. Seja qual for
a distração, deixe-a dissipar-se.

David Fontana [Aprenda a Meditar,p. Publifolia]

10 abril, 2004

Respiração Norte-Sul


No início da sessão de meditação tente esta técnica da ioga para equilibrar e harmonizar
a mente e o corpo: a respiração norte-sul.
Bloqueie a narina direita com o polegar e inspire profunda e lentamente pela narina esquerda. Depois solte a narina direita e bloqueie a esquerda antes de soltar o ar.
Repita o processo, desta vez, respirando pela narina direita e soltando o ar pela esquerda. Faça doze séries norte-sul. Essa respiração aumenta a percepção da respiração.

07 abril, 2004

Caminho sem Fim

Quando começamos a meditar, um erro muito comum é ter
em mente uma meta definitiva e perseguí-la tenazmente.
Podemos decidir meditar para combater o estresse,
experimentar estados de bem-aventurança, au até para
nos tornarmos iluminados, mas esses objetivos só
servem para estabelecer "entradas sem porta" que
impedem o progresso. Ao sujerir que sabemos aonde a
meditação nos levará, criamos conceitos físicos sobre
ela, que obscurecem a experiência real. A melhor coisa
a fazer é assumirmos o "não-conhecimento" de modo
tranquílo, com a mente totalmente aberta. Assim,
podemos acreditar nos benefícios da meditação, mas
evitamos as idéias fixas sobre como eles surgem e como
se parecem. Nesse sentido, a meditação é um caminho
sem fim. Temos expectativas que nos atraem para a
meditação, mas assim que a prática se inícia eles têm
de ser colocadas de lado e a meditação deve ser
assumida como experiência completa em si mesma. O que
significa ficar totalmente absorto nesta prática sem
intenções ou expectativas e sem impaciência ou
desapontamento.

David Fontana [ Aprenda a Meditar, p.15, Publifolha]