23 fevereiro, 2004

Versos sobre a mente com fé

Terceiro Patriarca
Hsin Hsin Ming
por Seng T'san
Trad. para o inglês de Richard B. Clarke


O Grande Caminho não é fácil
para aquele que não tem preferências.
Quando o amor e ódio estão ambos ausentes
tudo se torna claro e sincero.

Fazendo-se a menor distinção entretanto
o céu e a terra são colocados infinitamente distantes.
Se queres ver a verdade
então não tenhas opiniões a favor ou contra coisa alguma.

Colocar o que gosta conta o que não gosta
é doença da mente.
Quando o profundo significado das coisas não é
compreendido
a essencial paz da mente é perturbada inutilmente.

O Caminho é perfeito como o vasto espaço
onde nada falta e nada está em excesso.
Na verdade é devido a nossa opção
em aceitar ou rejeitar que não vemos a
verdadeira natureza das coisas.

Não vivas enredado nas coisas externas,
nem preso às sensações interiores do vazio.
Sê sereno na unidade de todas as coisas
e tais idéias errôneas irão
desaparecer por si mesmas.

Quando tentas parar a atividade para
alcançar a passividade
o teu próprio esforço irá te devolver
à atividade.
Enquanto permaneceres num extremo ou no outro
nunca conhecerás a Unidade.

Aqueles que não vivem no Caminho Único
falham tanto na atividade
como na passividade, na afirmação e na negação.
Negar a realidade das coisas
é perder a sua realidade
Afirmar o vazio das coisas
é perder a sua realidade.

Quanto mais falares ou pensares sobre isso,
mais te desviarás paraa longe da verdade.
Pára de falar e de pensar,
e nada haverá que não possas conhecer.
Retornar á raiz é encontrar o significado,
mas perseguir aparências é perder a fonte.
No momento da iluminação interior
há um caminho além da apar~encia e do vazio.

Às mudanças que parecem ocorrer no mundo vazio
Chamamos de reais somente porque somos ignorantes.
Não busques a verdade;
somente cessa de cultuar opiniões.

Não permaneças no estado dualístico
evita cuidadosamente tais investidas.
Se houver mesmo que seja um traço,
disto ou daquilo, do certo e do errado
a essência da Mente se perderá na consusão.

Muito embora todas as dualidades
provenham do Um,
não fiques apegado a este Um.

Quando a mente existe imperturbável no Caminho,
nada no mundo pode ofender,
e quando uma coisa não pode mais ofender
ela cessa de existir no velho modo.

Quando não surgem mais pensamentos
discriminatórios, a velha mente cessa de existir.
Quando objetos do pensamento desaparecem,
o motivo do pensamento desparece.
assim quando a mente desaparece,
os objetos desaparecem.
As coisas são objeto devido ao sujeito (mente0;
a mente 9sujeito0 é assim devido às coisas (objeto).

Compreende a realidade de ambos.
(a mente e o objeto)
e a realidade básica; a unidade do Vazio.
Neste Vazio os dois são insignificantes
e cada um contém em si mesmo todo o mundo.
Se não descriminares o ápero di fino
não serás tentado ao preconceito e a opinião.


Sem comentários: