31 janeiro, 2004

«Karma é uma daquelas palavras que não traduzimos. O
seu significado básico é bastante simples - ação - mas
devido à importância que os ensinamentos do Buda
atribuem ao papel da ação, a palavra karma em
Sânscrito contém tantas implicações que a palavra ação
em Português não consegue abarcar todo o seu conteúdo.
É por essa razão que simplesmente absorvemos a palavra
original como parte do nosso vocabulário.
Porém quando tentamos identificar todas as conotações
que a palavra contém, agora que ela se incorporou à
linguagem do dia a dia, nos damos conta que o seu
verdadeiro significado não está claro. Aos olhos da
maioria da pessoas, karma funciona como destino - má
sorte, uma força inexplicável e imutável que surge do
nosso passado, pela qual somos responsáveis, ainda
que vagamente e que não temos forças para resistir.
"Creio que deve ser o meu karma," ouvi pessoas dizerem
quando atingidas pela má sorte com tal intensidade que
não viram outra alternativa senão aceitar com
resignação. O fatalismo implícito nessa afirmação é
uma das razões porque tantos de nós rejeitamos o
conceito de karma, pois soa tal como o tipo de mito
insensível que pode justificar praticamente qualquer
tipo de sofrimento ou injustiça na sociedade: "Se ele
é pobre, é devido ao seu karma." "Se ela foi
estuprada, é por causa do seu karma." A partir daí é
só um pequeno passo para dizer que ele ou ela merecem
sofrer e dessa forma não merecem a nossa ajuda.»

Thanissaro Bhikkhu Texto Completo aqui

Sem comentários: