21 dezembro, 2004

Primeiro desperte, depois ensine.



"Enquanto não nos sentirmos abertos e amorosos, nossa prática está bem ali, esperando por nós. Uma vez que na maior parte do tempo não nos sentimos abertos e amorosos, devemos praticar de modo meticuloso o tempo todo.

A prática religiosa é um processo incessante de reconciliação, de um segundo a outro. Cada vez que ultrapassamos esta barreira, algo muda dentro de nós.Um dos aspectos distintivos de uma prática séria é o estado de alerta e de reconhecimento para os momentos de superação. No exato momento em que tivermos, mesmo que seja uma fugaz noção de estar julgando outra pessoa, a luz vermelha da prática se acende e podemos percebê-la.

Sendo assim, a prática não é só vir aos retiros e meditar todos os dias pela manhã. Isso é muito importante, contudo, não basta. A força de nossa prática, a capacidade de a comunicarmos a outros, está em sermos nós mesmos.

Não precisamos tentar ensinar os outros. Não precisamos dizer nada. Se nossa prática é forte, ficará evidente o tempo todo. Não temos de falar sobre dharma; dharma é simplesmente o que somos.

Charlotte Joko Beck [ Sempre Zen, p. 215.]

08 dezembro, 2004

Tornar-se independente

(...)Os seres humanos deveriam despertar logo e encontrar sua natureza original. Mas como é que retornamos à nossa natureza original? Há certa de 2500 anos, o Buda vivia numa situação muito confortável. ele era o princepe chamado Sidarta e possuia tudo que quisesse. Mas ele não compreendia a si mesmo.

"Quem sou eu?" "Não sei"

Naquele tempo na Índia, a religião Hindu ligada aos brêmanes, era a religião principal. Mas o bramanismo não lhe oferecia respostas às suas perguntas acerca da natureza da vida e da morte. Então, Sidarta abandonou o palácio, foi para as montanhas e praticou várias austeridades espirituais por seis anos. ele encontrou o Caminho do Meio entre a auto gratificação e o extremo ascetismo.

Certa manhã quando meditava sob a árvore Bodhi, ele viu uma estrela no céu do Oriente. Naquele momento - boom!

O jovem Sidarta iluminou-se. Acordou e tornou-se um Buda. Ele compreendeu o eu. Isso significa que o Buda alcançou a verdadeira natureza de um ser humano, independente de qualquer força exterior, religião ou deus. esse é o ensinamento do Buda.

Mestre Zen Coreano Seung Sahn [A Bússola do Zen, p.21]

Dia dos Iluminados!



Hoje comemora-se a iluminação do Buda



e do Tom Jobim.

01 dezembro, 2004

Um Grande Mestre



Nosso querido e grande mestre, Mestre Zen Seung Sahn, morreu no dia 30 de novembro de 2004, em Hwa Gye Sah, Seul, Coréia do Sul, com 77 anos de idade.
O mestre foi em paz, acompanhado por seus estudantes mais queridos até seu último momento. Nos sentimos agradecidos pela sua profunda sabedoria, sua grande compaixão e pelo precioso presente dos seus ensinamentos.

30 novembro, 2004

Sentando em silêncio



Zen Master Seung Sahn passed away at Hwa Gye Sa temple in Korea at 5:15 PM Tuesday, November 30 of heart failure. He died peacefully surrounded by his students. We are all very thankful for the gift of his life and teaching. A memorial ceremony will be held at Providence Zen Center on Saturday, December 4 at 10:00am.



08 novembro, 2004

05 novembro, 2004

Poemas Japoneses sobre a Morte




Empty-handed I entered the world

Barefoot I leave it.

My coming, my going --

Two simple happenings

That got entangled.

Kozan Ichikyo

The Japanese Death Poems


Não-Apego

Attachment is problem.
Dettachment is big problem.
Non-attachment, no problem.

Rodney Downey

03 novembro, 2004

Wake Up

Da floresta ouvia-se um pássaro repetindo wake up.
Lembrei do livro ´A Ilha` de Aldous Haxley.
Na "Ilha" imaginária, onde alguns modelos são testados,inclusive budistas,existem pássaros que ficam repetindo o tempo todo "Desperta!" e eles se chamam "Desperta" na língua da ilha.

02 novembro, 2004

A Raíz Humana

"Vindo com as mãos vazias,
indo com as mãos vazias.
Isto é humano.
Quando você nasce, de onde você veio?
Quando você morre, para onde você vai?
A vida é como o aparecimento de uma nuvem que flutua;
e a morte é como o desaparecimento de uma nuvem que flutua.
Mas, originariamente, esta nuvem que flutua, indo e vindo, não existe.
Vida e morte também são assim.
Mas há uma coisa que permanece pura e clara,
e não é dependente de ir e vir. Toda a vida e morte.
Então, o que é esta coisa pura e clara?
Se você atingir esta coisa pura e clara,
então atingirá sua tarefa correta.
Quando você atinge a sua tarefa correta,
você atinge a sua situação correta,
função correta, relacionamento correto."

Mestra Heila em [Simplesmente Faça. Ensinamentos do Budismo Zen Coreano. Ed. Nalanda|

23 outubro, 2004

Na hora certa



Se você estiver seguindo seu próprio caminho, as coisas virão até você. Como é seu próprio caminho, e ninguém o percorreu antes, não existe um precedente; logo, tudo que acontece é uma surpresa, e na hora certa.

posted by Fernanda

02 outubro, 2004

Lucidez

Se um dia qualquer tudo pulsar num imenso vazio
coisas saindo do nada
indo pro nada.
Se mais nada existir
mesmo que sempre chamemos de real
e isso pra ti for tão claro que nem percebas.
Se um dia qualquer ter lucidez
for o mesmo que andar e não notares que andas o tempo todo,
é sinal que valeu.
Pega carona no carro que vem,
se ele não vem não importa,
fica na tua.

Nei Lisboa

13 setembro, 2004

A Entrevista Zen

A entrevista Zen é uma parte vital do treinamento na nossa Escola [Zen Kwan Um].
Apesar da forma e do conteúdo da entrevista dependerem inteiramente do estudante e do estilo particular do professor. o propósito é ajudar o estudante a experimentar seus/suas próprias forças e limitações. Isso não é muito útil, nem sempre possível, julgar a prática de alguém, mas é possível, para nós, experimentar a qualidade de nossa prática através da entrevista Zen.

Há uma forma "correta" e outra "incorreta" de abordar a entrevista. Se nós estivermos presos ao estar "correto", em responder qualquer koan corretamente, em demonstrar sempre quâo claros e fortes nós somos, a entrevista se torna uma completa provação. É este desejo de responder corretamente, para não mostrar nossas fraquezas, nossos cantos sujos, que causam medo de aparecer. Não é fácil ser capaz de cometer erros, ser estupido, e ainda não controlar esses erros e continuar tentando. Alguns alunos Zen tentam evitar essa situação, evitando, simplesmente as entrevistas.
Há outro extremo, que também não é útil para nossa prática.
É manifestar uma fascinação não saudável pelos koans e pelas entrevistas. Isso é especialmente não saudável no caso em que o aluno dedica toda a prática a tentar responder os koans.
Estes alunos esquecem que sem o fogo do "Não sei!", sem um esforço constante nem mesmo respostas aos koans, nem mesmo as entrevistas, irão conecta-los as suas vidas e assim são completamente inuteis.

Por fim, a entrevista Zen é muito importante, mas apenas como uma parte da nossa prática. Se usada cerretamente, sem aversão ou facínio, ela é uma ferramenta muito poderosa para ajudar tanto o aluno quanto o professor. Ela pode fornecer um link vital entre nossa meditação e nossa vida. Ela é como um laboratório onde nós podemos testar nossa prática sobre o fogo.

As situações do Koan apresentadas na entrvista são com frequencia estremamente simples, e mesmo que façamos um erro, nenhuma consequencia grave ocorre. nossas vidas são com frequencia não tão perdoáveis, e muitas de nossas situações no cotidiano são mais complexas e cheias de sutilezas.

Mestre Zen Coreano Wu Bong (Jacob Perl)

11 setembro, 2004

Escolha suas batalhas com sabedoria.

Richard Carlson [Não Faça Tempestade em um Copo D'Água. E Tudo São Copos D'Água.]

08 setembro, 2004

De certa forma, ninguém vê realmente uma flor.
È muito pequena.
Não temos tempo e ver toma tempo.

Giorgia O´Keefe

04 setembro, 2004

Pergunta: Como é que se trabalha um Koan?

Resposta: O trabalho Koan é se tornar uma coisa só com o Koan.

Pergunta: O que significa este rosário que o senhor tem sobre a mesa?

Resposta: Este rosário tem 108 contas e nós temos 108 ignorâncias. Este rosário é para lembrar disto. Temos o costume nos templos Budistas de, no fim do ano, na passagem do ano, tocarmos 108 gongos. Cada toque é para esquecer uma ignorância, para receber o ano novo.

Pergunta: Para meditar é necessário preparação?

Resposta: Sim, é necessário. Em primeiro lugar é necessário o desligamento com o mundo exterior, depois comer e beber com moderação, procurar agir corretamente, e por aí vai.


O treinamento de Zen é descobrir o verdadeiro eu, e depois aplicar isto dentro da vida cotidiana, esta capacidade e potencialidade são muito grandes. Para se encontrar esta experiência e esta sabedoria, tem que se viver neste mundo a vida cotidiana. Temos diferenças, mas no fundo é tudo igual. Por exemplo, se se colocar o orvalho transparente em cima de uma folha verde, nós vemos um orvalho verde. E o mesmo orvalho transparente, se você colocar em cima de uma flor vermelha, você vê a cor vermelha. Assim, nós estamos vendo cores e formas diferentes em cima de cada pessoa, mas neste momento o que ninguém vê é aquela cor transparente.

Ryotan Tokuda

23 agosto, 2004

Aprender sobre o caminho é aprender sobre si mesmo.
Aprender sobre si mesmo é esquecer de si mesmo.
Esquecer de si mesmo é perceber a si mesmo em todas as coisas.
Realizar isto é jogar fora corpo e mente.

Dogen Zenji, Mestre Zen japonês do séc XIII

17 agosto, 2004

Too yama ga

medama ni utsuru

tonbo kana


==========

Nos olhos da libélula

refletem-se

montanhas distantes.

Issa. [Tradução: Paulo Franchetti/Elza
Taeko Do]

07 agosto, 2004

Sem Palavras, Sem Silêncio

Um monge perguntou para Fuketsu: "Nem falando,nem em
silêncio,

como posso expressar a verdade?"

Fuketsu observou:"Eu sempre lembro dos tempos de
primavera na China.

Os pássaros cantam entre inumeráveis

Tipos de fragâncias de flores."

Comentário do Mumon: Se você quer

expressar a verdade, jogue fora suas palavras, jogue
fora seu silêncio, e me fale do seu próprio Zen.



04 agosto, 2004

Ando gostando muito desse samba-bossa das herdeiras do Bossa Nova: MAria Rita e

Bebel Gilberto


Samba Da Bençâo

Composição: Desconhecido


É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração
Mas prá fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
Senão não se faz um samba não
Fazer samba não é contar piada
E quem faz samba assim não é de nada
O bom samba é uma forma de oração
Porque o samba é a tristeza que balança
E a tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não
Põe um pouco de amor numa cadência
E vai ver que ninguém no mundo vence
A beleza que tem um samba não
Porque o samba nasceu lá na Bahia
E se hoje ele é branco na poesia
Ele é negro demais no coração

É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração
Porque o samba nasceu lá na Bahia
E se hoje ele é branco na poesia
Ele é negro demais no coração

02 agosto, 2004

Tendrás razón.
No digo ni la mitad de lo que siento.
Pero recuerda que mi soledad,
la que arde en mi lámpara de desaparecido,
es el silencio de las causas públicas.

Luis García Montero [Ni la mitad ]

01 agosto, 2004

Tierno Bokar (1875-1940), foi um homem humilde e um extraordinario sábio africano que via na tolerância a única possibilidade de sobrevivência do ser humano.

Peter Brook em recente montagem sobre a vida desse asceta diz que ela era "límpida como um cristal e pura como uma oração."

"Tierno Bokar dizia que há três verdades: a minha, a tua, e a Verdade. Esta última está no centro e não pertence a ninguém. A minha e a tua são frações dessa Verdade que representa a luz total.", comenta Brook.

In: Folha de SP- Ilustrada,p.01- 27/07/04. Trad. Paulo Migliacci.]

30 julho, 2004



Aproveite bem o tempo: ele não espera por ninguém.


Santo Agostinho disse que todas as coisas que existem se dividem em duas ordens distintas.
A ordem do "uti" e a ordem do "frui". O "uti" significa o que é útil, itilisável,utensílio. Usar uma coisa é utilizá-la para obter outra coisa. "Frui" significa fruir, usufluir,desfrutar, amar uma coisa por ela mesma.
O corpo carrega uma caixa de ferramentas na mão direita e uma caixa de brinquedos na mão esquerda.
As ferramentas são meios de vida necessários a sobrevivência. As ferramentas não nos dão razões para viver; são chaves para a caixa de brinquedos. Quem está brincando já chegou.

Rubem Braga [A Caixa de Brinquedos, Folha de SP-27/07/04 Sinapse, p.24.]

25 julho, 2004

Koan
 
Diante de nossos olhos estão pessoas ligadas
a nós por condições; à medida que nos
encontramos e nos ajudamos uns aos outros,
como podemos nos encher de alegria?
 
- O mundo está cheio
O corpo é um bambu oco através do qual o universo toca sua canção.

Adaptado de Usui Sensei, o mestre do Reiki.

24 julho, 2004

O medo se transforma em raiva.
A raiva se transforma em ódio.
O ódio se trasforma em sofrimento.

Mestre dos Jedi [Guerra nas Estrelas,I]

15 julho, 2004

Todo mundo é unânime em dizer que a voz dela lembra a mãe,
Elís Regina.

Maria Rita Mariano


Cara Valente

Composição: Marcelo Camelo


Não, ele não vai mais dobrar
Pode até se acostumar
Ele vai viver sozinho
Desaprendeu a dividir
Foi escolher o mau-me-quer
Entre o amor de uma mulher
E as certezas do caminho
Ele não pôde se entregar
E agora vai ter de pagar com o coração, olha lá
Ele não é feliz
Sempre diz
Que é do tipo cara valente
Mas, veja só
A gente sabe

Esse humor é coisa de um rapaz
Que sem ter proteção
Foi se esconder atrás
Da cara de vilão
Então, não faz assim, rapaz
Não bota esse cartaz
A gente não cai, não

Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver na pior

Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver nesse mundo de mágoas
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver na pior


10 julho, 2004

Uma das músicas do Rolling Stones que mais gosto. Cantada por Nei Lisboa no Álbum Hi-Fi

Ruby Tuesday

Rolling Stones

She would never say where she came from
Yesterday don't matter if it's gone
While the sun is bright
Or in the darkest night
No one knows
She comes and goes

Goodbye, Ruby Tuesday
Who could hang a name on you?
When you change with every new day
Still I'm gonna miss you...

Don't question why she needs to be so free
She'll tell you it's the only way to be
She just can't be chained
To a life where nothing's gained
And nothing's lost
At such a cost

There's no time to lose, I heard her say
Catch your dreams before they slip away
Dying all the time
Lose your dreams
And you will lose your mind.
Ain't life unkind?

Goodbye, Ruby Tuesday
Who could hang a name on you?
When you change with every new day
Still I'm gonna miss you...

04 julho, 2004

A Descompartimentalização

Temos muitos compartimentos em nossas vidas. Como podemos tirar a meditação do templo e trazê-la para a cozinha, para o escritório? No templo, ficamos sentados em silêncio e tentamos ficar atentos a cada respiração. Como nossa meditação sentada pode influenciar as horas em que não estamos sentados meditando? Quando um médico aplica uma injeção, ela é benéfica não só para o braço mas também para todo o corpo. A meia hora de meditação sentada que você pratica num dia, deve servir às vinte e quatro horas, não só àquela meia hora específica. Um sorriso, uma respiração, devem ser para benefício do dia inteiro, não só daquele momento. Devemos praticar de uma forma que elimine a barreira entre a prática e a não-prática.

Quando caminhamos num templo de meditação, damos passos cuidadosos e bem lentos. Mas, quando vamos ao aeroporto ou ao supermercado, somos pessoas inteiramente diferentes. Caminhamos muito rápido, com menos consciência. Como podemos praticar a plena consciência no aeroporto e no supermercado? Tenho uma amiga que respira de modo consciente entre um telefonema e outro, e isso a ajuda muito. Um amigo pratica meditação andando entre um compromisso de trabalho e outro, caminhando em plena consciência. Os transeuntes sorriem para ele, e suas reuniões, mesmo com pessoas difíceis, muitas vezes acabam sendo agradáveis e muito bem sucedidas.

Deveríamos ser capazes de trazer a prática do templo de meditação para nossas vidas diárias. Precisamos debater a forma de fazê-lo. Você pratica respiração entre telefonemas? Você pratica o sorriso enquanto corta cenouras? Você faz um relaxamento após horas de trabalho pesado? Essas são perguntas práticas. Se você souber aplicar a meditação à hora do jantar, ao lazer, à hora de dormir, ela permeará sua rotina diária e terá uma enorme influência também nas questões sociais. A plena consciência pode ser infiltrada em todas as atividades diárias, em cada minuto, cada hora, e não ser somente uma descrição de algo muito distante.

Thich Nhat Hanh [Paz a Cada Passo,Rocco]

27 junho, 2004

Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

Caetano Veloso

De todo o meu passado

Boas e más recordações

Quero viver meu presente


Nessa vida passageira

Isso é o que mais me agrada

Isso é o que me faz dizer

Que vejo flores em você


Ira! [Flores em Você]

25 junho, 2004

"Quando você está iludido, até mil escrituras não são
suficientes. Quando você entende, uma única palavra é
demais"[Mestre Fenyang]

23 junho, 2004

Tai chi chuan

Inspiro. Wu dji sz.
Senta na calma.
Os movimentos são golpes.
Expiro. Concentro-me na
almofada e o vermelho toma conta do olhar.
Lentamente,lan tcha ue.
Avanço à esquerda. "Olha o peso na
perna!", pipoca da lembrança a recomendação do mestre.
A delicadeza mal oculta a intenção no gesto.
Alisa a cauda do pássaro e, agora sim, shao po pipa.
Você é o chicote.
Não há treino que me prepare para as palavras.
Alheio, Átila entra, afia as garras no tapete e bebe
água da fonte artificial.
Tsui lo tchiao pu é o meu
movimento, mas nada no gato que se espreguiça lembra a
"postura do ataque do felino".
Átila é irônico por
natureza. Tento conter a inquietação.
A violência é maior quanto menos se vê.
Nas palavras, por exemplo.
No desejo.
Tii shao can szi e a garça abre as suas
asas devagar.
Átila corre. Ele sabe que a garça
enfrenta o nada calculando milimetricamente o golpe
lento. Os dedos levemente entreabertos, o pulso
quebrado no ângulo certo, e a tensão se traveste de
sutileza.
San shao pipa, corda esticada de violão
chinês. Pés sempre firmes no chão e resto flutuando
com as memórias.
Transformo em gestos precisos a minha
violência cinza, mas você é o chicote.
Estalam no pensamento as suas palavras mais belas, as mais
exatas.
Explodem em vermelho as que jamais serão
ditas. Pan lan tchiao ue e assim estilizo o gesto de
agarrar a cauda do pássaro que não está mais ali. A
mão desliza à frente no gesto de defesa. "Dá o passo!
Olha o ângulo do pé", grita o mestre do passado. Presa
à serenidade em movimento, continuo lutando
vagarosamente contra o que não existe. Wu dji tze.
Fecho a forma. O silêncio é o supremo último golpe.

Ponto Final

21 junho, 2004

"Carpe Diem" quer dizer "colha o dia". Colha o dia como se fosse um fruto maduro que amanhã estará podre. A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente.

Site do Rubem Alves

19 junho, 2004

Já recebi dois convites...Penso, para quê, mais uma distração.
Parte do meu esforço é para me livrar das distrações.


Descrição de alguém no Orkut

«Não ligo para aquilo que os meus inimigos pensam de mim.
O que eles pensam nada revela a meu respeito - mas diz muito sobre as condições do seu trato digestivo.
Nietzsche dizia que havia pessoas que não gostavam dele porque suas palavras eram fogo para suas bocas.
Mas as palavras, como as pimentas, podem ser fogo na boca e fogo em outro lugar.
Quem diz que não gosta de pimenta, fico logo suspeitando que sofra de hemorróidas. Assim, não ligo se alguém pensar mal de mim.
Mas, se os meus amigos pensarem mal de mim - isso sim vai me causar sofrimento.
Se pensam mal de mim sendo meus amigos, isso quer dizer que existe uma pitada de verdade nos seus pensamentos. Os pensamentos dos amigos são espelhos.
Aí vou ficar com vergonha e vou começar a fugir da presença deles.»

(Rubem Alves, in Transparências da eternidade, pág. 59)

18 junho, 2004

Ouço essa canção na Itapema FM
[Ainda não sei quem canta nem o autor(a)]

Não tenho medo da vida.
Tranquila, levo a vida tranquila.
Não tenho medo do mundo.
Não vou me preocupar.

Que me passe a doença,
que me passe,
a pobreza,
que me passe,
a maldade,
que me passe,
o olho grande,
que me passe,
a má sorte,
que me passe,
a inveja,
que me passe,
a tristeza da guerra

Tranquila,
levo a vida tranquila.
Não tenho medo da morte.

Não vou me preocupar,
Não vou me preocupar,
Não vou me preocupar.

ouça vc. também

17 junho, 2004

"Partidas para o Nirvana"


Já entrou em nossa cultura popular - já comi em restaurantes chamados Nirvana, ouvi a música do grupo Nirvana e vi um anúncio da United Airlaines, apresentado no Yahoo!, dizendo: "Partidas para o Nirvana. Compre agora!" Embora fosse fácil e até apropriado censurar a degradação do seu significado, o fato de que "Nirvana" entrou no nosso léxico cultural sugere, pelo menos em algum nível, um reconhecimento do seu significado definitivo.
Na Índia a expressão Nibbana também tem uso popular, embora esteja de alguma forma mais próxima dos seu significado real.Ajahn Buddhadasa, famoso mestre tailandês do século XIX disse que, quando os aldeões da ìndia cozinhavam arroz e esperavam que esfriasse, podiam comentar: "Esperem um pouco para o arroz se tornar nibbana." Então aqui "nibbana" significa o estado mental cool ( que quer dizer ao mesmo tempo tranquilo e frio), livre de paixôes provenientes de falhas. Como comentou Ajahn Buddhadasa: " Quanto mais calma (cool) a mente, mais Nibbana naquele momento."

Continua...

Joseph Goldstein [Dharma]

30 maio, 2004

Meu interior,
o mestre,
está perto.
Acorda, acorda!

Corra para junto dele-
Você dormiu por milhões de anos,
Por que não acordar agora.

Kabir
A maioria dos problemas do mundo seria solucionada se as pessoas pudessem aprender a ficar tranqüilamente num quarto.
Pascal

Se você subitamente se tornar perceptivo no meio da raiva, sentirá uma paz que nunca sentiu antes. A energia estava se movendo e subitamente, pára. Você encontrará o silêncio, o silêncio imediato. Cairá em seu ser interior e a queda será tão repentina que você se tornará receptivo. Não é uma queda lenta, é tão abrupta que você não pode deixar de se tornar perceptivo. Só é possível permanecer não perceptivo com coisas rotineiras, com coisas graduais, quando você se move tão lentamente que não pode sentir o movimento. Isto foi um movimento súbito, passando da atividade para a não-atividade, do pensamento para o não-pensamento, da mente para a não-mente.

Osho [ O Livro da Transformação-Histórias e Parábolas das Grandes Tradições....Sextante, 97-8.]
Algumas Armadilhas ao Longo do Caminho

Se você seguiu a longa trilha de toda uma vida da concentração, o maior obstáculo em potencial em alguns pontos de sua jornada será, sem dúvida nenhuma, sua mente pensante.

Por exemplo, você às vezes, pode pensar que, de tempos em tempos, estava chegando a algum lugar, principalmente se você tem alguns momentos de satisfação que transcendem o que você vivenciou antes. Então você pode sair por ai pensando, até mesmo dizendo que chegou a algum lugar, e que a prática da meditação ?funciona? O ego quer reivindicar o crédito desse sentimento especial de compreensão, qualquer que seja ele. Quando isso acontece, você não está mais fazendo meditação, mas a sua publicidade. É fácil se ver apanhado nessa situação, usando a prática da meditação para apoiar o hábito de inflar o ego.
Ao ser apanhado nessa situação você deixa de ver as coisas claramente. Mesmo um insight preciso, no momento em que ele é reivindicado pelo pensamento a seu serviço, rapidamente turva tudo e perde sua autenticidade. Então você terá que se lembrar que todas as colorações do "eu", "meu" são simplesmente correntes de pensamentos possíveis de afasta-lo do seu próprio coração e da pureza da experiência direta.
Esse lembrete mantém a prática viva para nós exatamente nos momentos em que mais precisamos dela e quando estamos mais propensos a traí-la. Ele nos mantém olhando profundamente, com espírito de indignação e curiosidade genuína e perguntando-nos constantemente: "O que é isso?", "O Que é isso?"

Ou quem sabe, uma vez ou outra você pode se ver pensando que não está chegando a lugar algum na sua prática de meditação. Nada do que você queria que acontecesse aconteceu. Há uma sensação de impasse e tédio. Aqui novamente é o pensamento que é o problema. Não há nada de errado com os sentimentos de tédio ou de impasse, ou de sentir que você não está chegando a lugar algum, como não há nada de errado com o sentimento que você está chegando a algum lugar e, na verdade, sua prática pode estar mostrando sinais de estar se tornando mais profunda. e sólida. A armadilha é quando você supervaloriza tais experiências e pensamentos e começa a acreditar nelas como algo especial. É quando você fica conectado à sua experiência que a prática estaciona e o seu desenvolvimento para junto com ela.

Jon Kabat-Zinn [A Mente Alerta, Objetiva, p. 258-60]

27 maio, 2004

Dicas para ficar zen no dia-a-dia

Comece o dia sentado com a coluna ereta (pode ser numa cadeira), perceba sua respiração, os batimentos do seu coração, suas tensões, seus pensamentos. fique assim por alguns minutos, depois respire fundo e vá para o mundo disposto a aceitar o dia como ele vier,como se fosse o primeiro dia de sua vida.

Preste atenção em tudo que fizer e olhe as ações e os comportamentos repetitivos como uma nova oportunidade de perceber a vida com mais cuidado e amor.

Viva o momento presente. O passado já se foi e o futuro ainda não existe. O aqui e o agora são a única realidade.

A respiração tem o poder de mudar rapidamente seu estado de alma. Em situações de estresse, ansiedade, raiva,tristeza, acalme sua respiração e tenha em mente que todas as situações são passageiras, que tudo está em constante transformação.

Em cada gesto simples do cotidiano, você pode descobrir novos prazeres. Saboreie a água e cada alimento como um bem precioso, uma fonte de energia vital. quando estiver comendo ou cozinhando, não desperdice.

Simplesmente seja o que é, aceite seu corpo e seus pensamentos.
lembre-se de olhar para o céu. Isso expande os límites da mente e nos recorda que somos uma pequena parte do imenso Universo, que sempre em movimento.
Ao falar, use palavras de carinho e respeito, pois você está diante do outro ser humano, seja quem for.

Reserve algum tempo e apenas fique sem fazer nada!
não pense, não contemple, não deseje mudanças.

No trânsito, mantenha-se atento e gentil com os outros motoristas. Peça e dê passagem. se ficar muito alterado com a espera, tenha no carro um CD de música tranquila. Isso baixa a ansiedade e suavisa a raiva e a impaciência.

No trabalho, quando estiver numa situação de conflito au receber uma provocação, não reaja imediatamente. respire e preste atenção, pois sempre há uma maneira de resolver as questões de forma pacifica, com respeiro e amorosidade. Caso contrário, você entra em sintônia de ações e pensamentos negativos, ruins para os outros e para você.

Mexer no jardim Zen ( uma caixa de areia com algumas pedras) é uma forma de aquietar a mente e uma metáfora da vida: tudo está mudando a todo momento, um dia é diferente do outro e voc~e pode criar o seu presente.

Tenha um projeto de vida, mas esteja aberto para perceber as indicações do caminho. seja flexível como os galhos de uma árvore ao vento, assim nada pode quebrá-lo.

Lembre-se deste provérbio chinês: os mestres podem abrir a porta, mas só você pode entrar.

Acenda um incenso. Ele marca o tempo de sua meditação ou qualquer outra atividade e purifica o ambiente. Além disso, segundo os monges zen-budistas, a fumaça espalha bem-estar para todos os seres e eleva nosso espírito.

Liliane Oraccio. Muitas Maneira de Ficar Zen [in: Rev. Bons Fluídos-Meditação, (60),(05-04),p.20-5.]

24 maio, 2004

Okido Yoga

Lembro de ter lido um livro em italiano sobre Yoga de Masahiro Oki. Agora achei um " site sobre esse estilo de yoga.

22 maio, 2004

Pondo Rótulos nos Pensamentos

Estou experimentando a prática de pôr rótulos nos pensamentos.
Quando vem algum julgamento vc. rotula "julgamento", até que o julgamento desapareça e fique apenas o olhar de fora. vc. vê mas não pensa nada a respeito do que vê, apenas vê. Parece estranho porque há uma energia muito forte para "conversar, tagarelar", mentalmente e oralmente também a respeito de tudo, principalmente dos outros.
Há um professor que propôe que se use os rótulos não da maneira hábitual já bem conhecida no zen: "julgando, pensando, comendo, caminhando, respirando...", mas também nas histórinhas que ficamos repetindo o dia todo, sobre vários assuntos chamado-os de "fitas". Como se fossem filminhos mentais.

-Fita do trabalho- quando começamos a pensar em cosias do trabalho fora dele.
-Fita do relacionamento- quando começamos a pensar em alguém de nossos relacionamentos, do presente, do passado ou do futuro (idealizando)
-Fita da família- quando começamos a pensar em em alguém da família, lembranças que nos trazem resentimentos, ou preocupações com filhos, conjuges, etc.
-Fita da escola....
-Fita da prática...
-Fita da viagem, passeio,, férias...

E assim por diante, cada um vai identificando as suas e rotulando-as de fita de alguma coisa.

Aprender, praticar é basicamente lembrar de voltar ao momento presente.
Se magoei ou causei dano a alguém com meus
pensamentos, palavras e ações, pesso perdão.
E livremente perdôo qualquer pessoa que possa ter me magoado
ou causado dano.

21 maio, 2004

Quando uma casa está em chamas, o fogo é apagado com água. Da mesma maneira, a pessoa sábia, madura, hábil e auto confiante apagará a dor logo que ela surge, como o vento soprando para longe uma bola de algodão.

A pessoa que busca sua felicidade deve remover o dardo- que ela própria cravou em si,do sofrimento, desejo e desapego. A pessoa que retirou o dardo, que está livre do apego, e da dor, obtém a paz de espírito, fica tranqüila.

Nipata Sutra [ Adaptado de H. Saddhatisa]

20 maio, 2004

O que vale mais, uma multidão com milhares de pessoas ou sua solidão
autêntica?
Liberdade ou poder sobre uma nação inteira?

Alguns momentos em seu quarto serão mais valiosos do que qualquer
outra coisa que pudesse, algum dia, ser oferecida.

Rumi, The Essencial Rumi.

19 maio, 2004

Receita de Granola

Granola é uma mistura de cereais com frutas secas e outros ingredientes como passas, ameixa seca e castanha de caju, casyanha do Pará, coco, etc. Dá para variar nos ingredientes ou fazer só com os cereais e depois acrescentar frutas frescas na hora de comer.

Receita para 500 g


500g de aveia em flocos prensados
500g de aveia prensada em flocos finos
500g de farinha de aveia
200g de gergilim integral
200g de ameixas em pedaços
200g de castanha de caju picadas
100g de uva passa
500g de açucar máscavo
500g de extrato de soja
200g de farelo de trigo
100g de farelo de aveia
300g de flocos de milho sem açucar
200g de coco ralado
1 1/2 copo de mel
1 1/2 copo de óleo de girassol

Aqueça o óleo o mel e misture a aveia, a farinha de aveia, e o coco, o gergilim e a castanha de caju. leve para assar até dourar. Deslique o forno e adicione as ameixas e as uvas-passas. Depois de frio misture o farelo de trigo e de aveia e os flocos de milho, o extrato de soja e por fim condicone em um pote fechado.

Receita fornecida pela "Mãe Terra" produtos Naturais. In: Rev. Vida Simples. (15)(04),2004. p.61.


18 maio, 2004

Dúvida

Para que a fé esteja assentada na experiência, deve ser também suficientemente aberta para incluir a dúvida.

Se usamos a fé para afastar a dúvida construímos uma muralha defensiva que mantém fora quaisquer perguntas perturbadoras, evitando o reconhecimento dos nossos medos e incertezas. A amplitude da fé nos permite conviver com tudo o que possa surgir, investigando a própria natureza da dúvida e quaisquer outras que apareçam.
Abraçando habilmente a dúvida, fortalecemos a fé.

A dúvida é o difícil estado mental da perplexidade. É como estar numa encruzilhada e não saber que caminho seguir. Vamos de um lado para outro, entre alternativas e, depois, ficamos paralisados pela confusão e indecisão. Quando a dúvida é esmagadora, não podemos nos mover. Ela não nos dá nem mesmo a oportunidade de virar para o lado errado e aprender com nossos equívocos.

Quase todas as tradições falam da dificuldade desse estado e de como ele é comum em nosso caminho em diferentes ocasiões. A dúvida pode assumir muitas formas.
Algumas vezes é dúvida sobre nós mesmos, sobre nossa capacidade de praticar e seguir pelo caminho. É a voz que diz ? Não posso fazer isso. É difícil demais. Talvez em alguma outra ocasião.? Talvez seja dúvida sobre nossos mestres quando começamos a ver as suas falhas e limitações. Pode ser sobre nosso caminho. ?Que benefício pode trazer ficar sentado observando minha respiração? (ou qualquer outra prática em que estejamos empenhados). Na verdade isso é inútil.?

A dúvida é muito sedutora, porque vem mascarada de sabedoria. Ouvimos dentro de nossas mentes essas vozes, que soam sabias, tentando resolver os dilemas, dificuldades e paradoxos da nossa experiência por meio de pensamentos respeitadores. Mas pensar pode levar-nos apenas até determinado ponto. É como tentar conhecer a experiência da música lendo um livro sobre ela ou saber de uma boa refeição, olhando para o cardápio.Precisamos de alguma outra maneira para entender a natureza da dúvida. Para podermos enfrentar de forma apropriada as preocupações que ela nos causa.

O primeiro passo é reconhecer que a mente incerta está presente e, reconhecendo isso, familiarizarmo-nos com suas várias vozes. Se tivéssemos consciência dessas vozes como fitas gravadas mentais, apenas outros pensamentos na mente, é menos provável sermos seduzidos por seus conteúdo. Nesse momento, tiramos seu poder: ?Não posso fazer isso? torna-se apenas um pensamento. Podemos então fazer valer a sabedoria no próprio processo da dúvida, notando como ela nos afasta da experiência direta do momento.

Joseph Goldstein.[Dharma- O Caminho da Libertação, Bertrand, 60-1]

15 maio, 2004

Atenção plena é a raiz do Dharma.
Atenção plena é o corpo da prática.
Atenção plena é a fortaleza da mente.
Atenção plena é a ajuda para a sabedoria do estado desperto inato.

Se faltar atenção plena , você permite que as forças negativas o vençam.
A falta de atenção plena é causa de atos maldosos.
Sem atenção plena e presença de espírito nada se pode realizar.
A falta de atenção plena empilha uma porção de merda.
Sem atenção plena você dorme num oceano de mijo.

Sem atenção plena, você é um zumbi com coração; um cadáver ambulante.
Queridos amigos na Dharma, por favor, tenham atenção plena!

Nyoshul Khen Rinpoche. In: Dharma. O Caminho da Libertação. Joseph Goldstein, Bertrand,98.

13 maio, 2004

O site do Prof. Hermogenes tem animações das posturas de hatha yoga e muito mais.
Você acha que conseguiu entender a vida ou ainda há o mistério?
- Cada vez entendo menos, por isso é fascinante, por isso escrevo. Escrevo para entender. Sobre o que não entendo. O dia que tiver compreendido tudo, deixo de escrever porque ai terei perdido o interesse. A vida é mistério,e, por issi ela é fascinante.

Reinventando a Vida: Conversa com Lia Luft. In: Rev. Vida Simples. (15)(04)2004,p.52.

12 maio, 2004

Só amanhece o dia para o qual estamos despertos
H.d. Thoreau, Walden

Sempre quis ler este livro, Walden, mas não sei porque ainda não o li.

É uma espécie de manual de auto suficência.
Uma experiência que o autor se propôs, de volta à natreza. Algo como:
"Vamos ver se eu consigo viver como um silvícula, alguém completamente auto suficiente, que consegue construir sua casa por si mesmo e viver do que a natureza lhe dá como os primeiros colonizadores que não encontraram nada pronto.

Essa experiência trouxe valiosos insights para Thoreau. Tanto que muitos consideram Walden mais um relato do amadurecimento espiritual do autor do que uma aventura na selva. Ele poderia ter ido escalar o Everest, mas preferiu construir passo-a-passo sua fortaleza interior.

Leia um Capítulo Leia um Capítulo

10 maio, 2004

Dando o primeiro passo do dia

Andar sobre a face da terra é um milagre!
Cada passo dado com plena atenção revela
a maravilhosa essência de tudo o que existe.

Este poema pode ser recitado quando nossos pés tocam o
chão ao sairmos da cama, durante a meditação andando
ou toda vez que levantamos e cantamos.
Andar sobre a face da terra é um milagre! Não
precisamos andar pelo espaço sideral ou sobre as águas
para sabermos o que é um milagre. O verdadeiro milagre
é estarmos despertos no momento presente. Caminhando
sobre a terra, compreendemos a maravilha de estarmos
vivos. Dando passos dessa maneira a luz de tudo o que
existe brilha.

Thich Nhat Hanh [Momento Presente. Momemnto
Maravilhoso,Sextante,p.12]

Nota 1.A palavra Dharmakaya foi substituida por
"essência de tudo que existe"

Nota 2.O poema que aparece antes do comentário é
chamado de gatha. São verso, em forma de oração, para
serem recitados antes de algumas atividades em
mosteiros. TNH sugere que caso vc. não consiga lembrar
dos versos que ele compôs, que vc. crie os seus
próprios versos.

Nota 3. O autor sugere que se caminhe sobre alguma
vegetação verde para sentir a energia da natureza.



09 maio, 2004

Buda disse que mesmo que carregassemos nossos pais nas costas por muitas vidas não conseguiriamos pagar a preço deles terem nos dado essa vida precisosa.
Então se hoje vc. tem uma mãe por perte abrace muito ela.

07 maio, 2004

Não é cerveja, mas experimente está prática!

Thich Nhat Hanh, monge vietnamita escreveu um livro [Momento Presente - Momento Maravilhoso] onde ele parte de versos compostos por ele a partir de gathas [versos que são usados para serem recitados durante algumas atividades de monges e monjas nos mosteiros para que estejam presentes em cada uma dessas atividades, algo parecido com uma oração]. Ele sugere que pratiquemos com atividades corriqueiras como acender a luz, varrer, usar o banheiro, abrir e fechar portas e janelas, subir e descer escadas, etc, coisas que fazemos todos os dias. A finalidade é estar presente no momento em que se realiza cada atividade, em comunhão com o universo.

TNH sugere que caso não se consiga lembrar dos versos que ele compôs, podemos criar os nossos versos para cada ação. Também sugere que se permaneça um tempo praticando em cada uma das ações, até que a mente já esteja presente na ação, para depois passar para a seguinte, mantendo as anteriores. Assim se você começar a praticar com "acordando" mantenha-se nessa ação por um tempo até lembrar de estar presente no ato de acordar. Se vc. quiser, TNH sugere que se coloque um cartaz próximo da cama, ou pendurado sobre ela ou na janela com algo escrito, como por exemplo: "Sorria, vc. está vivo!" ou outra coisa que lhe lembre de acordar.

É interessante que se escolha uma seqüência de ações que realizamos todos os dias desde acordar até voltar para a cama novamente, assim ao longo do tempo estaremos caminhando numa trilha conhecida e nossa mente irá lembrar das ações que esquecermos e nos trazer de volta para elas, para o momento presente.

Posso dizer por experiência própria que essa prática funciona e é uma maravilhosa forma de praticar no dia-a-dia, e mais qualquer um pode fazer até mesmo crianças e quem esteja doente.

Com minha professora fazemos a mesma prática, apenas não recitamos versos enquanto estamos fazendo alguma atividade. Mas podemos repetir "varrendo", por exemplo, e se a atenção encapar ficamos repetindo "varrendo..." até ela voltar para aquele momento e o ato de varrer.

Essa prática se chama "Vinte Passos para o Despertar". Escolhemos 20 itens e ficamos em cada um por uma semana, mantendo os anteriores. Ao final serão 20 semanas. É muito raro alguém chegar ao final e conseguir estar presente nos 20 itens, mas isso não importa, o importante é experimentar essa prática e tentar leva-la a diante, sem expectativas de qualquer resultado.

Experimente!

04 maio, 2004

VENHA COMO VOCÊ É

Venha como você é, como você foi
Como eu quero que você seja
Como um amigo, como um amigo
Como um antigo inimigo

Vá no seu ritmo ou se apresse
A escolha é sua, não se atrase
Descanse como um amigo
Como um antigo inimigo
Memória, memória
Memória

Venha enlameado, ensopado em cal
Como eu que você seja
Como uma tendência, como um amigo
Como um velho inimigo
Memória, memória
Memória

E eu juro que não tenho uma arma
Não, não tenho uma arma
Não, não tenho uma arma

Nirvana [Came As You Are]

02 maio, 2004

Se vc. fosse atravessado por uma flecha o que vc. faria?
Tentaria tira-la ou a deixaria ali.
O que doeria menos?

Ando por ai com uma flecha atravessada. Depois de tentar tira-la entendi que
terei que esperar que ela se dissolva.
Se a flecha for de madeira poderá se dissolver mais rápido.
Se for de ferro ou metal ou aço por um longo tempo irá me acompanhar.
Se for de plástico, ai de mim, quantas décadas a terei por companhia.
Aprenderei muito com ela, seremos um só e às vezes até esquecerei da dor.


29 abril, 2004

Os Budistas não reverenciam nenhum Deus

Buda não é considerado um Deus pelos budistas por isso não deve ser reverenciado ou adorado como tal.
Os budistas não acreditam em um deus todo poderoso que criou o mundo e o protege.
O Buda histórico não é reverenciado como um deus e sim como um ser humano que conquistou a iluminação por seu próprio esforço.
Através de seus ensinamentos e exemplos, outros seres humanos têm a oportunidade de despertar para sua verdadeira natureza aqui e agora.

Os budistas marayana e zen budistas também reverenciam os bodissatvas, que são seres perfeitos que atingiram a iluminação e portanto poderiam entrar em Nirvana mas que por compaixão abdicaram dele para renascer incontáveis vezes e assim ajudar outros seres a alcançarem a iluminação.

O bodissatva mais reverenciado é Avalokitshnara, o Bodisattva da Compaixão que pode ser representado com aspecto feminino ou masculina e contém um milão de olhos e braços para acolher e ajudar todos os que sofrem. Há um mantra que os budistas recitam para conectar-se com Avalokiteshvara.

24 abril, 2004

Meu amigo sempre atento me avisou que a Varig já está voando para a África do Sul.
Uau! J' Bay, lá vamos nóis!

22 abril, 2004

When I rise, let me rise like a bird, joyfully.
And when I fall, let me fall as leaf, gracefully, without regrets.
And when I stand, let me stand like a tree, strong and tall.
And when I lie, let me lie like a lake, peacefully, calm and still.
When I ply, let me ply like a breeze, refreshingly, light and clear.

Tich Nath Hahn

18 abril, 2004

O que é essencial


Agora que sua jornada meditativa está em curso convém lembrar os pontos
essenciais par auma meditação bem sucedida, para sedimentá-lo, explorá-los melhor e
aprofundar-se nos recessos de sua mente.
A base de toda a meditação é a capacidade de focalizar em um estímulo específico, sem ser
distraído por pensamentos, sentimentos ou desconfortos físicos sem importância. Por meio da prática
meditativa regular, a mente se acalma e clareia, e a percepção aumenta.
O meditador tem de ser paciente e se empenhar. Muitos iniciantes dizem que são incapazes
de concentrar a mente e pensam que a meditação não serve para eles. Mas justamente porque a mente
devaneia é que precisamos meditar.
Para começar, comprometa-se a meditar alguns minutos por dia durante um mês.
À medida que progride, vc. pode aumentar o tempo aos poucos,
até que esteja meditando meia hora por dia, talvez um duas sessões de quinze minutos.

David Fontana [Aprenda a Meditar, 57. Publifolha]

15 abril, 2004

12 abril, 2004

Como Concentrar uma Mente Instável


Um dos objetivos da meditação é nos ajudar a pôr ordem na confusão e não nos impedir de pensar.
Todo mundo descobre muito cedo que a mente parece escapar ao controle. Nunca foi treinada para saber o que se espera dela: nossa educação está voltada para nos ensinar fatos que não têm nada a ver com a mente propriamente dita e com o potencial que está no seu âmago.
O treinamento gradual da meditação regular permite que a pessoa se mantenha concentrada em pensamentos construtivos, eliminando as distrações e incentivando o processeguimento de sua jornada meditativa.
A mente possui diversas maneiras de distrair nossa concentração. Pode começar com trivialidades, mas quando nos resusamos a deixa-la entrar em devaneio ela prossegue com questões mais preocupantes. Trará à tona lembranças felizes ou desagradáveis ou nos lembrará de coisas urgentes que temos de fazer. Seja qual for
a distração, deixe-a dissipar-se.

David Fontana [Aprenda a Meditar,p. Publifolia]

10 abril, 2004

Respiração Norte-Sul


No início da sessão de meditação tente esta técnica da ioga para equilibrar e harmonizar
a mente e o corpo: a respiração norte-sul.
Bloqueie a narina direita com o polegar e inspire profunda e lentamente pela narina esquerda. Depois solte a narina direita e bloqueie a esquerda antes de soltar o ar.
Repita o processo, desta vez, respirando pela narina direita e soltando o ar pela esquerda. Faça doze séries norte-sul. Essa respiração aumenta a percepção da respiração.

07 abril, 2004

Caminho sem Fim

Quando começamos a meditar, um erro muito comum é ter
em mente uma meta definitiva e perseguí-la tenazmente.
Podemos decidir meditar para combater o estresse,
experimentar estados de bem-aventurança, au até para
nos tornarmos iluminados, mas esses objetivos só
servem para estabelecer "entradas sem porta" que
impedem o progresso. Ao sujerir que sabemos aonde a
meditação nos levará, criamos conceitos físicos sobre
ela, que obscurecem a experiência real. A melhor coisa
a fazer é assumirmos o "não-conhecimento" de modo
tranquílo, com a mente totalmente aberta. Assim,
podemos acreditar nos benefícios da meditação, mas
evitamos as idéias fixas sobre como eles surgem e como
se parecem. Nesse sentido, a meditação é um caminho
sem fim. Temos expectativas que nos atraem para a
meditação, mas assim que a prática se inícia eles têm
de ser colocadas de lado e a meditação deve ser
assumida como experiência completa em si mesma. O que
significa ficar totalmente absorto nesta prática sem
intenções ou expectativas e sem impaciência ou
desapontamento.

David Fontana [ Aprenda a Meditar, p.15, Publifolha]

27 março, 2004

A Porta sem Porta

Um antigo texto zen-budista diz que, se quisermos aprender a meditar,
precisamos atravessar a porta sem porta.

Embora a entrada seja bem real, é ao mesmo tempo ilusória, não passando de
uma prosa interior, que nos afasta dos níveis mais profundos da nossa mente.

David Fontana [ Aprenda a Meditar,12, Publifolha]

20 março, 2004

[...] antes de nascer fazíamos parte das infinitas possibilidades de vida que poderiam ou não realizar-se [...]

[...] Talvez estar morto seja passar no oceano das ondas que permanecem para sempre,
logo, é inútil esperar que o mar se acalme...]

[...] O que conta é a própria experiência.. não se deve dar muita importância a tudo o resto.

Ítalo Calvino [ Como aprender a estar morto. In: Palomar, trad. Ivo Barroso, Cia Letras, p. 108-9]

11 março, 2004

Às vezes é preciso ir ao fundo do poço para ver nossa verdadeira face refletida no espelho d' água.
Nossa verdadeira natureza é bem mais suave e pura, mas sem choques a mente não se desprende.

06 março, 2004

Se precisarmos de aplausos, é porque ainda não morremos.
Se precisarmos de poder, é porque ainda não morremos.
Se precisarmos de destaque, é porque ainda não morremos
Se não pudermos trabalhar com humildade, é porque ainda não morremos.
Se precisarmos projetar uma certa imagem, é porque ainda não morremos.
Se precisarmos que tudo venha ao encontro aos nossos desejos, é porque ainda não morremos.

Receita Zen para o Dia a Dia
de Charlotte Joko Beck

02 março, 2004

O silêncio nos assusta por retumbar no espaço vazio dentro de nós.
Quando nada se move nem faz barulho, notamos as frestas pelas quais espiam coisas incômodas e mal resolvidas, ou se enxerga por
outro ângulo de nós mesmos (...)

Lya Luft [Pensar é Transgredir, in: Veja, 03/03/04]

28 fevereiro, 2004

Por que o mundo? Por que nós? O nada não é muito mais simples?


[...] o conceito de tempo tal como o entendemos em nosso dia-a-dia, o tic-tac
constante e regular do passar das horas, não faz sentido perto da origem do
Universo.
A realidade não é descrita por um espaço inerte e por um tempo regular, fluindo
como um rio.
Tanto espaço quanto tempo flutuavam caóticamente: o espaço deformado
em todas as direções, em cada ponto, um tempo diverso. Não existia um "antes"
antes do próprio tempo- como entendemos- existir.
Tinha razão Santo Agostinho, quando disse que o tempo veio com a Criação.
Mas a Criação, de onde veio? De uma flutuação quântica no Universo primordial, diz a cosmologia moderna. Do desejo inerente de algo existir, dizem os maoris.
Sob a ótica da história a pergunta é mais importante que a resposta. [...]

Por que o mundo? Por que nós? O nada não é muito mais simples?

Marcelo Gleiser, prof de física in: [Folha Mais! 09 jun 2002]

23 fevereiro, 2004

Versos sobre a mente com fé

Terceiro Patriarca
Hsin Hsin Ming
por Seng T'san
Trad. para o inglês de Richard B. Clarke


O Grande Caminho não é fácil
para aquele que não tem preferências.
Quando o amor e ódio estão ambos ausentes
tudo se torna claro e sincero.

Fazendo-se a menor distinção entretanto
o céu e a terra são colocados infinitamente distantes.
Se queres ver a verdade
então não tenhas opiniões a favor ou contra coisa alguma.

Colocar o que gosta conta o que não gosta
é doença da mente.
Quando o profundo significado das coisas não é
compreendido
a essencial paz da mente é perturbada inutilmente.

O Caminho é perfeito como o vasto espaço
onde nada falta e nada está em excesso.
Na verdade é devido a nossa opção
em aceitar ou rejeitar que não vemos a
verdadeira natureza das coisas.

Não vivas enredado nas coisas externas,
nem preso às sensações interiores do vazio.
Sê sereno na unidade de todas as coisas
e tais idéias errôneas irão
desaparecer por si mesmas.

Quando tentas parar a atividade para
alcançar a passividade
o teu próprio esforço irá te devolver
à atividade.
Enquanto permaneceres num extremo ou no outro
nunca conhecerás a Unidade.

Aqueles que não vivem no Caminho Único
falham tanto na atividade
como na passividade, na afirmação e na negação.
Negar a realidade das coisas
é perder a sua realidade
Afirmar o vazio das coisas
é perder a sua realidade.

Quanto mais falares ou pensares sobre isso,
mais te desviarás paraa longe da verdade.
Pára de falar e de pensar,
e nada haverá que não possas conhecer.
Retornar á raiz é encontrar o significado,
mas perseguir aparências é perder a fonte.
No momento da iluminação interior
há um caminho além da apar~encia e do vazio.

Às mudanças que parecem ocorrer no mundo vazio
Chamamos de reais somente porque somos ignorantes.
Não busques a verdade;
somente cessa de cultuar opiniões.

Não permaneças no estado dualístico
evita cuidadosamente tais investidas.
Se houver mesmo que seja um traço,
disto ou daquilo, do certo e do errado
a essência da Mente se perderá na consusão.

Muito embora todas as dualidades
provenham do Um,
não fiques apegado a este Um.

Quando a mente existe imperturbável no Caminho,
nada no mundo pode ofender,
e quando uma coisa não pode mais ofender
ela cessa de existir no velho modo.

Quando não surgem mais pensamentos
discriminatórios, a velha mente cessa de existir.
Quando objetos do pensamento desaparecem,
o motivo do pensamento desparece.
assim quando a mente desaparece,
os objetos desaparecem.
As coisas são objeto devido ao sujeito (mente0;
a mente 9sujeito0 é assim devido às coisas (objeto).

Compreende a realidade de ambos.
(a mente e o objeto)
e a realidade básica; a unidade do Vazio.
Neste Vazio os dois são insignificantes
e cada um contém em si mesmo todo o mundo.
Se não descriminares o ápero di fino
não serás tentado ao preconceito e a opinião.


18 fevereiro, 2004

Ninguém pode vos revelar nada,
a não ser o que jaz meio adormecido no âmago do vosso conhecimento.
O professor que caminha na sombra do templo,
junto a seus discípulos, não orefece seu
conhecimento, mas sua fé e amor.
Se ele for realmente sábio, não vos convida a entrar na casa de sua sabedoria, mas vos guia até o limiar da vossa própria mente.

Khalil Gibran [ O Profeta, L & PM,73]

15 fevereiro, 2004

Dia 15 - Dia do Parnirvana - Nehan-e

Embora o Buda Sakyamuni tenha alcançado a libertação sob a arvore de Bodhi muito antes de sua morte, este é o dia em que entrou no pleno Nirvana, deixando para trás esta forma terrena.

14 fevereiro, 2004

Mamut

Luiz Guillermo Torres

Un mamut chiquitito queria volar
probaba y probaba y no podia volar
una palomita su amiga lo quiso ayudar
y de un quinto piso lo hizo saltar
y que paso??
mielda el mamut se hizo mielda
mielda el mamut se hizo mielda

Un mamut chiquitito queria fumar
probaba y probaba y no podia fumar
un perro su amigo lo quiso ayudar
y quinientos cigarrillos le hizo fumar
y que paso?
cancer al mamut le dio cancer
cancer al mamut le dio cancer

Un mamut chiquitito queria tomar
probaba y probaba y no podia tomar
un oso su amigo lo quiso ayudar
y tres litros de whisky lo hizo tomar
y que paso?
cirrocis al mamut le dio cirrocis
cirrocis al mamut le dio cirrocis

Un mamut chiquitito queria debutar
probaba y probaba y no podia debutar
un burro su amigo lo quiso ayudar
y con cien prostitutas lo hizo debutar
oh! y que paso?
sida al mamut le dio sida
sida al mamut le dio sida

Un mamut chiquitito se queria drogar
probaba y probaba y no se podia drogar
un gato su amigo lo quiso ayudar
y diez lineas de coca le hizo probar
eh! y que paso?
sobredosis el mamut con sobredosis
sobredosis el mamut con sobredosis

Y ahora que le paso?
se murio!
El mamut se murio
se murio!
se murio, el mamut se murio,
se murio, el mamut se murio.

========
Um mamute pequenino queria voar,
tentava e tentava e não podia voar..
uma palomita, sua amiga, quis ajudar,
e de um quinto andar o fez saltar.
hehehe
e que se passa?
merda!! o mamute fez merda!!
merda!! o mamute fez merda!!

um mamute pequenino queria fumar
tentava e tentava e não podia fumar
um cachorro, seu amigo quis ajudar
e 500 cigarros lhe fez fumar.
e que se passa?
cancer!! O mamute pegou cancer!!
cancer!! O mamute pegou cancer!!

um mamute pequenino queria beber
tentava e tentava e não podia beber
um urso, seu amigo o quis ajudar,
e 100 litros de whisky lhe fez beber.
e que se passa?
cirrose!! O mamute pegou cirrose!!
cirrose!! O mamute pegou cirrose!!

um mamute pequenino queria transar
tentava e tentava e não podia transar
um burro, seu amigo o quis ajudar
e com 100 prostitutas o fez transar
ohh! e que se passa?
aids!! O mamute pegou aids!!
aids!! O mamute pegou aids!!

um mamute pequenino queria se drogar
tentava e tentava e não se podia drogar
um gato, seu amigo o quiz ajudar
e 10 carreiras de coca lhe fez provar
e que se passa?
overdose!! o mamute com overdose!!
overdose!! o mamute com overdose!!

e agora que se passou?
morreu? morreu?
morreu!! o mamute morreu!!
morreu!! o mamute morreu!!
morreu!! o mamute morreu!!
morreu!! o mamute morreu!!

11 fevereiro, 2004

Fábulas Budistas

As Jatakas sâo coletânea de histórias, geralmente sobre as vidas passadas do Buda Shakiamuny. Em muitas dessas histórias o Buda aparece em forma de animal para ensinar o valor das boas qualidades como, compaixão, sabedoria, paciência e generosidade.
São um meio de ensinar o budismo para crianças.

Algumas Jatakas:

Sábio e a Pá

Um homem sábio consegue superar seus desejos e
encontrar o segredo da felicidade escondido dentro
da sua própria mente.

O Coelho que Venceu o Medo

Um coelho acorda com um ruído bem alto e foge em disparada. Seu medo se espalha, pondo em risco os outros animais que o seguem sem hesitação.
Um leão salva a todos e os ensina a lidar com o medo.

O Papagaio e a Figueira

Um papagaio demonstra lealdade e dedicação à sua árvore amiga, respeitando-a nos tempos bons ou ruins.

Moedas de Ouro

Este livro conta a história de dois irmãos que aprendem
o poder da generosidade, com a ajuda do espírito das águas do rio.

A Jóia da Amizade

A amizade de um rei-serpente. faz com que um jovem aprenda que a amizade é mais preciosa do que a mais rara das jóias.

Em Livro

10 fevereiro, 2004

Os Infiéis

O escritor norte-americano E.L. Doctorow em artigo " Somos Infiéis?", diz que seu país é a nação mais fiel do mundo, pois oferece "um virtual supermercado de opções espirituais."

Apesar dos americanos serem considerados pelos fundamentalistas como infiéis, Doctorow agumenta que " o infiel não é necessariamente descrente, ele tb. pode ser um crente com o uniforme errado."

Já, "o fundamentalista, é por definição é um absolutista, intolerante de qualquer forma de crença, exceto a dele, de qualquer história, exceto a dele."

E finaliza:

"Estão dizendo que não há um caminho comprovado para a salvação, há apenas tradições."

Folha de SP, Caderno Mais! pg.3 num. 590, 08/05/03.

07 fevereiro, 2004

O Carma é um presente

O carma é um presente, não uma punição.
Seja como for, qual for, com mais ou menos sofrimento.
Momento a momento, é uma nova oportunidade que nos se apresenta.

01 fevereiro, 2004

É preciso ser desprovido de arrogância, do
desejo de ser separado, para aceitar o ensinamento
e uma profunda vivência para ensinar.

31 janeiro, 2004

«Karma é uma daquelas palavras que não traduzimos. O
seu significado básico é bastante simples - ação - mas
devido à importância que os ensinamentos do Buda
atribuem ao papel da ação, a palavra karma em
Sânscrito contém tantas implicações que a palavra ação
em Português não consegue abarcar todo o seu conteúdo.
É por essa razão que simplesmente absorvemos a palavra
original como parte do nosso vocabulário.
Porém quando tentamos identificar todas as conotações
que a palavra contém, agora que ela se incorporou à
linguagem do dia a dia, nos damos conta que o seu
verdadeiro significado não está claro. Aos olhos da
maioria da pessoas, karma funciona como destino - má
sorte, uma força inexplicável e imutável que surge do
nosso passado, pela qual somos responsáveis, ainda
que vagamente e que não temos forças para resistir.
"Creio que deve ser o meu karma," ouvi pessoas dizerem
quando atingidas pela má sorte com tal intensidade que
não viram outra alternativa senão aceitar com
resignação. O fatalismo implícito nessa afirmação é
uma das razões porque tantos de nós rejeitamos o
conceito de karma, pois soa tal como o tipo de mito
insensível que pode justificar praticamente qualquer
tipo de sofrimento ou injustiça na sociedade: "Se ele
é pobre, é devido ao seu karma." "Se ela foi
estuprada, é por causa do seu karma." A partir daí é
só um pequeno passo para dizer que ele ou ela merecem
sofrer e dessa forma não merecem a nossa ajuda.»

Thanissaro Bhikkhu Texto Completo aqui

28 janeiro, 2004

25 janeiro, 2004

lição sem perfume
by Jeane

abrir buracos na parede
cavar tuneis
secar a chuva
perfumar o banheiro escatológico

espremer limão
sem limo

bater em todas as portas vizinhas
pedindo
unhas novas

apagar as cinzas de incenso
dostribuí-las ao vento em dez direções

vestir bermunça
abrir a bocarra pra engolir
urubus de plantão

assim assim
feito
cansei
emagraci

ainda sssim
continua pesado
onde onde
gordura não entra


24 janeiro, 2004

Neste preciso tempo, neste preciso lugar

No princípio era o Verbo
(e os açucares e os aminoácidos)
Depois foi o que se sabe.
Agora estou debruçado
da varanda de um 3ro andar
e todo o Passado
vem exactamente desaguar
neste preciso tempo, neste preciso lugar,
no meu preciso modo e no meu preciso estado!

Todavia em vez de metafísica
ou de biologia
dá-me para a mais enespecífica
forma de melancolia:
poesia nem por isso lírica
nem por isso provavelmente poesia,
Pois que faria eu com tanto Passado
senão passar-lhe ao lado,
deitando-lhe o enviazado
olhar da ironia?

Por onde vens, Passado,
pelo vivido ou pelo sonhado?
Que parte de ti me pertence?
Lá em baixo, na rua, passa para sempre
gente indefinidamente presente,
entrando na minha vida
por uma porta de saída
que dá para a memória.
Também eu (isto) não tenho história
senão a de uma ausência
entre indiferença e indiferença.

Manoel Antônio Pina, Poeta português contemporâneo
[in: Folha de SP, Mais! 08/05/03]

18 janeiro, 2004

Nascendo, nascendo... todos os dias...

Hoje começa oficialmente o ano por aqui.

Por quê? porque é costume começar o ano no dia do seu nascimento.
Isso no meu país particular e no seu?

O que vc. faz no seu primeiro dia de vida?

Liga para casa para ser paparicado por todos.

Come seu cereal predileto com frutas e iogurte natural.

Toma banho, troca de roupas.

Sai para passear...

Tudo como um bebê... nascendo, nascendo, todos os dias.

17 janeiro, 2004

...o que, em sua própria vida, é "o menor".

Pensamos de imediato naquelas pessoas que são muito
pobres. No entanto, "o menor" refere-se ao "menor" em
mim, em você. O que é menor para você? A que em sua
vida você tem o menor interesse em servir? Para a
maioria, "menor" são certas pessoas de quem não gostam
ou com quem têm dificuldades: as pessoas consideradas
descartáveis. "Menores" podem ser também as pessoas a
quem tememos, as que nos intimidam. Num nível mais
sutil, podem ser aquelas que sentimos que devemos
instruir, iluminar ou ajudar.

Quanto mais claramente virmos que não há nada que
precise ser feito, mais vemos aquilo que necessita ser
feito. É uma coisa engraçada. Quando partilhamos de
verdade o que temos: tempo, bens e, o mais importante,
nós, nossa vida flui com facilidade.

Há a história de um poço que era alimentado por pequenas nascentes que sempre forneciam seu suprimento de água. Certo dia o poço foi coberto e esquecido até que alguém, anos
depois, o destampou. Porque ninguém nunca mais tinha
ido ali para buscar água, as nascentes tinham deixado
de enchê-lo e o poço estava seco. Acontece a mesma
coisa conosco: podemos nos dar e nos. Abrir cada vez
mais, ou podemos nos conter e segurar, e ficarmos
secos.

Charlote Joko Beck [Nada Especial: Sempre Zen]

12 janeiro, 2004

À medida que nos identificamos cada vez menos com
elementos externos, podemos incluir cada vez mais
coisas em nossa vida. Este é o voto do 'bodhisattva'.
Por conseguinte, na proporção em que nossa prática
amadurece, podemos fazer mais, podemos incluir mais,
podemos servir mais, é isso que constitui realmente a
prática zen. Sentar dessa maneira é o caminho.
Portanto, pratiquemos com tudo que temos. O máximo que
posso ser é a pessoa que sou neste momento; posso
vivenciar isso e trabalhar com isso. É tudo que posso
fazer. O resto é sonho do ego.»

Charlotte JOKO Beck [Sempre Zen -- como introduzir a
prática do Zen em seu dia a dia, pág.s 55-60]



09 janeiro, 2004

A Bondade

abrange aquilo que auxilia os seres sensientes e está em perfeita concordância com o Dharma.
As boas ações são sempre inspiradas pela bondade intrínsica da pura natureza búdica interior.

Hsing Yun [Budismo: Significados Profundos]