31 dezembro, 2003

Este ano, apesar de parecer que foi um desatre, foi na verdade muito bom.
No momento mais crítico, quem parecia amigo, deu spalla ao violino e esqueceu a melodia.
Mesmo assim, é nas horas negras que se conhecem as velas, que vento algum pode intimida-las, quando seu propósito único for iluminar. Não faltou vela no apagão :)

Presentes não pedidos e pedidos atendidos sem esforço.
O empenho anterior armazenou gás suficinte para anos, mas recarregar as baterias se faz necessário.

Dei uma passada de olho nas 108 realizações para a vida toda.
Foram menos que no ano passado, mas foram maiores e mais complexas.
Comparando, ganhei na mega sena acumulada varias vezes, mas continuo pobre (materialmente) mas rica, rica de maré, maré de ci.


30 dezembro, 2003

Todo mundo corre, corre para acabar logo com um ano que nunca acaba.
Ele apenas se repete ciclicamente, se renova, faz uns ajustes aqui e ali, mas basicamente, é o mesmo. O ano, mas nós, nós sim, mudamos. Já reparou? Parece que não, mas digo que sim. É porque só consideramos mudança quando for grande, visível. Mudar o corte de cabelo, já mudança.
E quem disse que é ruim, mesmo ruim, é belo. Resta a nós que somos peças no tabuleiro do universo, jogarmos um jogo limpo e paciente.
No fim, o que pode acontecer, além de um xeque mate, talvez um empate. Ninguém vence. Porque no fundo, ninguém vence, a não ser a si mesmo, a suas limitações, seus medos, coisas que valem apena se empenhar para tornar a vida melhor para si, e melhor, para todos.
Fico feliz de ter me arrastado neste campo florido, e às vezes ter me sentado nos degraus da preguiça, ainda aqui mais um ano de blog. Serão três anos dia 31 de janeiro.
Espero poder continuar a inspira-los na senda do momento presente, seja lá como ou com quem vierem. Sejam bem vindos mais uma vez.





29 dezembro, 2003

Richard Carlson fez sucesso não fazendo tempestade em um copo d´água.
Entre suas leituras prediletas estão os budistas Jack Kornfield e Sylvia Boorntein.
Foleando o livro, talvez o melhor da série, achei muitas semelhanças com o budismo. Alguns dos seus conselhos podem se tornar metas para o próximo ano.

25 dezembro, 2003

O que os budistas ociedentais fazem no Natal:

Retiro de Natal
Leêm aquele mesmo livro.
Ou um outro adquirido ou ganho recentemente, no Natal.
Vão ao shopping center ver O Senhor dos Anéis
Viajam para casa de familiares e/ namorado/a
Ficam em casa vendo vídeos e meditando sobre o vazio do Natal
Nem lembram que é Natal apesar do constante
bombardeio no TV e por todos os lados
porque não vêem tv nem olham para os lados.
Enviam cartões de Natal apra amigos não budistas com frases budistas.

entre outras opções...

23 dezembro, 2003

Bob Marley cover na Alfandega, Coral de natal no Cruz e Souza e Mozart na Catedral.
Alguém reclamou que era demais e tudo ao mesmo tempo.
Então escolha! O popular Bob Marley, o popular coral e natal ou o popular Mozart.
A prefeita escolheu Mazart, o povo que não se importa com a chuva escolheu as janelas do Palácio Cruz e Souza e quem não gosta nem de Mozart e nem do Natal escolheu Bob Marley cover.
Assim havia alegria para todos os gostos, todos populares.

Passei por Is this love segui para o Nivarna e ainda peguei Noturno seguido de Over the Rrainbow.

Esta:



Somewhere over the rainbow
Way up high
There’s a land that I heard of
Once in a lullaby

Somewhere over that rainbow
All skies are blue, oh
And where dreams
That you dare to dream
Really do come true

Someday I’ll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
And troubles mount like lemon drops
Way above the chimney tops
That’s where you’ll find me

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly, oh
If birds can fly over the rainbow
Why, then why can’t I?

Someday I’ll wake and rub my eyes
And in that land beyond the skies
You’ll find me
I’ll be a laughing daffodil
And leave the silly cares that
Fill my mind behind me

Somewhere over that rainbow
Bluebirds fly
If birds can fly over the rainbow
Why, then why can’t I?

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can’t I?

me fez lembrar a indiazinha Dia de Chuva, a responsável por tudo isso existir.

Pensei em ligar, mas sei lá seu telefone por onde andará em tantas mudanças de taba.
Nem mesmo enviar email, sei lá se poderia.

Onde andará Dia de Chuva?
Alegre, feliz, triste, assim mesmo feliz.

Entre em contato Dia de Chuva!

21 dezembro, 2003

Deixe de lado a deplorável apatia e enfrente a crise com coragem.
Uma pessoa sensata mostra energia e determinação, o sucesso está em seu poder seja ele
qual for.

Jatakamala 14.11 in: Franz Metcalf [ O que Buda faria?]

18 dezembro, 2003

Na abertura da programação de Natal entre corais nas escadarias da Catedral e
crianças cantando " Nirvana" nas janelas do Palácio Cruz e Souza, nós ali pertinho meditando.

Se o Papa sabe que por aqui andam cantando "Nirvana" do Grupo El Bosco.

Por falar em Papa, o Dalai Lama escreveu um livro: "Dalai Lama fala sobre Jesus."
E lá foi o Dalai Lama para um encontro histórico com o Papa.
Seculu seculorum e só o Santo Marketing conseguiu juntar Dalai Lama e Papa. Viva o marketing!



17 dezembro, 2003

Me perguntaram quantos livros não budistas li neste ano.
-Deixa ver... - Uns cinco, acho!
- Cinco!
-Pra quem lia quase 50 só de literatura... Mudei de assunto, só isso.
-Então tá!

14 dezembro, 2003

Quebrabdo o encanto

Por vezes estar em um grupo de praticantes cria um véu que não nos permite ver as pessoas como elas são, por baixo de suas cascas. Todos parecem emanar luz e ter aurea de santidade.
Cedo ou tarde penetramos na profundidade do ser e vemos coisas que não gostaríamos de ter visto. Era melhor ficar cegos a quebrar o encanto. Mas quebrar o encanto faz parte da prática.

12 dezembro, 2003

Satori-intuição, sabedoria transcendental que capta simultaneamente a totalidade e individualidade de todas as coisas.

Psi- consciência transcendente dos límites do ego

Metafísica- a impressão intuitiva de que ser é vir a ser e vir a ser é ser.

10 dezembro, 2003

Diga-me o que vc. tem feito com a sua preciosa vida?
Está ocupado demais para responder? Escreva um mail.

Faça uma lista.
Enfim, não fique ai parado esperando a vida passar para começar outra
novinha em folha. Vc. faz o seu mundo, o seu dia, o tempo e o espaço.
Vc. faz tudo. Bom, ruim, bonito, alegre, triste....

Veja lá o que vc. tem feito!
Não importa se este ano está acabando. O que passou e o que virá.
Quero saber agora, o quê importa?

Só importa esse momento.

Estou esperando uma resposta.

08 dezembro, 2003