19 novembro, 2003

Meu Pequeno Buda:

"- Mãe, às vezes eu queria sentir tudo o que o Felipe sente.
- Por quê, Gabriel?
- Porque ele é pequeno e se machuca muito, coitadinho. Eu tenho dó dele bater o coco, cortar o pé e espremer o dedo a toda hora.
- Ah, filho, o Felipe é muito macaquinho. Às vezes a pessoa é meio biruta e precisa se machucar pra aprender a não fazer certas coisas.
Silêncio.
- Sabe, mãe, pensando bem, eu acho que esse mundo aqui não é a vida real, é um lugar onde as pessoas vêm pra aprender as coisas.

Eu não sei descrever a minha cara.

: : Laura : :
postado em Veia

Lamento informar mas esse é o único mundo que existe onde realidade e ilusão se alternam. Se estamos adormecidos o mundo é uma ilusão. Se estamos despertos ele é real, assim como ele é. Gostemos ou não dele.

Gostariámos que não fosse assim, talvez acreditar que tudo isso nâo seja real diminuiria nossa frustração em torno de certas coisas que não aceitamos, não gostamos, não conseguimos ter, etc.

Sim estamos aqui para aprender como nos conectarmos com nosso verdadeiro Eu, com nossa Essência, nossa Natureza. e no fundo no fundo estamos mais aqui para desaprender. Dasaprender hábitos, condicionamentos profundos que nos mantém presos a este estado de não despertos.

Confuso. O zen é assim mesmo, aparentemente confuso, mas trata-se apenas de aceitar que tudo é impermanente, sendo assim existir ou não existir resume-se em apenas um momento. Em um momento algo existe, em outro já era. Se ficamos presos ao que já era ficamos presos a ilusão e certamente isso nos trará algum tipo de sofrimento.

Sem comentários: