14 julho, 2003

Aprender como Aprender

Buda ensinou, um elemento muito importante: aprender como aprender.

Quatro Pilares Para O Estudo Do Dharma


Apoie-se no Dharma, não em pessoas.

Tudo que as pessoas podem fazer é interpretar o Dharma, o que é somente um auxílio para o aprendizado.
É impossível alguém simplesmente transmitir o Dharma a outrem. Quem
não vivencia as verdades do Dharma nem as aplica à própria vida não
aprende o Dharma, apenas aprende a respeito dele. As verdades mais
elevadas exigem, em última instância, ser vivenciadas. Por milhares
de anos, os mestres e praticantes budistas estudaram as verdades
ensinadas pelo Buda até conseguirem ter sua experiência direta.




Apoie-se na Sabedoria, Não no Acúmulo de Conhecimento.

No âmago dos ensinamentos do Buda está a sabedoria interior que já possuímos.
Assim, ao estudar, é necessário que estejamos alertas a essa
sabedoria. Podemos encher a cabeça com muitos fatos a respeito do
Dharma; entretanto, nem mesmo uma biblioteca repleta de fatos se
iguala a uma única percepção clara da verdade subjacente a eles. Ver
a verdade é sabedoria, ao passo que conhecer a verdade é apenas
conhecimento. Não há nada de errado com o conhecimento mas, em si,
ele nunca o libertará das ilusões. Assim como o Dharma é um espelho
que reflete nossa sabedoria inata, nossa sabedoria pode ser um
espelho a refletir os eventos de nossa vida. Voltando esse espelho
para o mundo, vêem-se as coisas como realmente são e não como as
impurezas dizem que são. Com a profunda sabedoria da mente interior
podemos ver a vida como ela realmente é. Devemos todos estudar o
Dharma e aprender as complexidades dos ensinamentos do Buda mas, ao
aprender um fato novo, é preciso também garantir que o mesmo seja
absorvido profundamente. Assim, a sabedoria que é inerente a todas as
formas de vida consciente começará a despertar por si própria.


Apoie-se no Significado das Palavras, Não nas Palavras.

A maior parte do aprendizado humano é adquirido através da linguagem. O Dharma é ensinado primordialmente através de palavras. As palavras devem ser respeitadas pelo importante papel que desempenham em nossa vida.
Ainda assim, jamais devemos nos deixar aprisionar por elas. As
verdade descritas pelo Buda em palavras não são em si palavras, são
verdades que transcendem totalmente as palavras. Esquecer esse fato é
esquecer o cerne da mensagem do Buda.


Até mesmo nossa reverência pelo Buda pode se constituir um obstáculo ao crescimento se não compreendermos que o verdadeiro Buda é um estado mental, e não simplesmente um símbolo ou história que existe em algum lugar, fora de nós.
Não é verdadeiro um ensinamento que não possa ser vivido e experimentado. Se não pudermos empreender um esforço para aprendê-lo, começando por onde estamos, de nada nos serve.

Apoie-se no Significado Total, Não no Parcial.
Isso significa que devemos estudar até entender a verdade profunda da mensagem do Buda,
sem nos deter em níveis mais superficiais de compreensão. O Buda
disse muitas coisas a diferentes tipos de pessoas.
Seu método de ensino é freqüentemente chamado de "método hábil" ou "método expediente" porque o que era ensinado a diferentes públicos dependia da respectiva capacidade de compreensão.
Havia aqueles com maior dificuldade de aprendizado, com necessidade de reificar o que quer que o Buda dissesse, ao passo que outros, com maior capacidade de aprendizado, conseguiam compreender os argumentos diretamente. Os ensinamentos do Buda, portanto, versam sobre muitos e variados tópicos. A abrangência de seu escopo é ampliada ainda mais pelo fato de que o Buda pregou o Dharma por quarenta e cinco anos. À medida que passaram os anos, seus alunos foram progredindo e sua mensagem foi se
aprofundando e conformando a sensibilidades mais profundas. A massa
de sutras e escolas que foram criadas naquela época é vasta e, por
vezes, confusa até mesmo para estudantes avançados do Dharma. Se não
formos cuidadosos, podemos ficar preocupados com uma mensagem
secundária, perdendo de vista a verdade profunda.


A forma correta de estudar o Dharma é desenvolvendo uma relação com o Buda, tanto aquele que está em seu interior como aquele que o transcende. Quando conseguir ver o Buda em tudo, poderá dizer que realmente compreende o Dharma.


Texto extraído do livro "Lotus in a Stream" - Wisdom Publisher, e
que o Ven. Mestre Hsing Yun é o 48o. Patriarca da Linhagem Lin Chi
(Rinzai) do Budismo Ch'an e fundador do Monastério de Fo Guang Shan em Taiwan.

Sem comentários: