05 março, 2003

Existem vacas brancas?

(Impressões bem-humoradas sobre um Sesshin)

"Reflita antes de se expressar, lembrando-se de que a cada palavra dita,
você contribui para construir ou destruir."

O bom é que podemos construir e destruir o tempo todo.
O ruim é que pensamos que o que construímos e destruímos é para sempre.
Nada é permanente. Nada dura para sempre.
Isso é um grande alento, porque eu sei que se hoje as coisas estão difíceis não há como
elas não ficarem do lado oposto. O problema é que não admitimos a impermanência e não sabemos esperar pelo ciclo natural de cada evento, então sofremos e o sofrimento se repete tantas vezes sejam necessárias até que aprendamos o que precisamos aprender.

De volta de um retiro zen (sesshin) aprendi:

-Que meu ciclo natural é muito longo e não me preparei para o longo inverno da velhice e da doença, vou ter que aprender a viver sem comer ou ir para um mosteiro para ser alimentada.

-Que às vezes não sei esperar quem ainda não terminou de comer e quando sei esperar estou errada.

-Que as pessoas ou gostam tanto de lavar a louça em retiros ou nunca lavaram louça em casa, e não me deixaram lavar nenhuma vez. Tudo bem eu nem gosto tanto assim, mas não desperdiço água.

- Que se apressar em julgar alguém pode revelar-se um grande engano. Melhor não olhar para o prato do vizinho ao lado ou em frente, pq. ele está cheio de julgamentos, opiniões, pensamentos e bananas.

-Que não entendo porque faz-se voto de silêncio em retiros zen se não funciona.

-Que sempre que tem que relatar sua experiência no final do retiro eu não sei o que dizer
mesmo tendo o que dizer, mesmo assim eu digo.

-Que é muito fácil fingir que se está atento, só o monge insiste em fingir que é difícil.

-Que tudo mundo quer se iluminar, mas o caminho é longo e no fim... é melhor nem falar e continuar tentando, se deixarem.

-Que não se pode ter insight porque sempre aparece alguém pra te trazer de volta para esse mundo do samsara.

-Que vc. é responsável por aquele que vc. mostra o caminho. "Olha é por ali, mas só vc. pode ir até lá e ver como ter sua experiência e decidir se entra com o pé esquerdo ou com o pé direito no Zendô (sala de med.) Se vc. entrar com esquerdo é porque vai ficar ( na tradição zen japonês) se entrar com o direito... Com qual mesmo que eu entrei? -Shiii! Não prestei atenção!

-"Que existem coisas maravilhosas e existem vacas brancas." E que as vacas brancas são mais importantes que as coisas maravilhosas. Enquanto vc. buscar ver só as coisas maravilhosas, vc. vai perder a maravilhosa
oportunidade de ver as vacas brancas, que são maravilhosas assim como elas são.

-Que todo meu esforço para aprender a escrever é muito pouco comparado a escrever na água. Não me perguntem como se escreve na água.

-Que existem tantas metáforas para explicar o universo que fica muito fácil não entender que o oceano é o universo e nós somos as ondas (manifestações) e um não existe sem o outro. De onde vêm as ondas? Assim com o champanhe não existe sem as bolhas, e uma bolha sozinha não estoura o champanhe.
O monge sabe como sacudir champanhe, mas será que sabe como abrir? Não vi nenhum sabre.
E um bom champanhe não se sacode! Mas isso não deve valer para o zen.
Nesse caso ainda sou uma cidra barata! Então pode sacudir a vontade. Mas não abre ainda que
estou longe de engolir o universo. Interessante essa metáfora.
Quando se sacode o champanhe as bolhas se dissolvem e fica só o Universo.
Boom! Ainda existe o boom.

-Que quando alguém começa a chorar, contagia todo mundo.

-Que tem várias formas de meditar: birmanesa, meio lótus, lótus, seiza, de pé, andando, comendo, no banheiro, dormindo, então pra que ficar fazendo pose de estátua se vc. já levou 10
pauladas nos ombros e nas costas e continua sentindo dores.

Que o monge bateu na minha coluna pra me dizer: - Por que vc. não veio no dokusan?
-Por que não é obrigatório, uai. –Mas deveria, pq. se vc. não vai se arrepende e se vai se arrepende também. Então pra que ficar se torturando. Vai logo!

-Que se vc. só precisa de duas mudas de roupa para passar 4 dias, pra que levar 4 malas.

-Que desisti de me preocupar com os mosquitos, já que eles não se preocupam com meu sofrimento mesmo.
E alguém precisa avisar aos fabricantes de repelente que essa coisa não funciona.

-Que meditar com ar congelante é melhor que com ar escaldante.
Por que quando se medita produz-se calor. Frio com calor se anulam. Calor com calor...

-Que vc. nunca pensou que seu investimento seria para ter crises: de choro, de riso, de fome, de insônia, de sono, de carência afetiva, de dor. Não, isso não é terapia. É apenas nossos desejos mais primitivos se manifestando. Com sorte algum insight.
Há quem tenha visões, premonições do tipo: “Em 2515 todas as crianças vão estar cantando o Sutra do Coração na escola!”
Há aqueles que tentam desenvolver utilidades domésticas: atravessar paredes, ficar invisível...
Depois o que eles vão fazer com isso? Se exibir no Programa do Faustão/Gugu?

-Que em um sesshin não é falta de educação lamber o prato e sim não lamber o prato.


Sem comentários: