28 novembro, 2002

O que é AMOR?

Há amor e Amor. Você ama sua família, mas não ama seu
vizinho. Você ama seu filho ou filha, mas não ama
todas as crianças. Você ama seu pai e mãe, mas não ama
a todos da mesma maneira. Você ama sua religião, mas
não ama todas as religiões. Você pode até não gostar
de outras fés. Da mesma forma, você tem amor por seu
país, mas não ama todos os países e, talvez, sinta
animosidade em relação a diferentes povos. Portanto,
esse não é o Amor real; é apenas amor limitado. A
transformação desse amor limitado em Amor Divino é o
objetivo da espiritualidade.
Na plenitude do Amor, brota a bela e perfumada flor da
compaixão. Quando as obstruções do ego, o medo e o
sentimento de 'outro' desaparecem, você não pode fazer
nada, a não ser Amar. Você não espera retorno por seu
amor. Você não se importa em receber nada; você
simplesmente flui. Quem quer que venha ao rio do Amor
será banhado nele, seja a pessoa saudável ou doente,
homem ou mulher, rica ou pobre. Qualquer um pode tomar
quantos banhos desejar no rio do Amor. O rio do Amor
não se importa se a pessoa se banha nele ou não. Se
alguém o critica ou insulta, o rio do Amor não
percebe. Ele simplesmente flui. Quando esse Amor
transborda e é expresso em cada palavra ou ato,
chamamo-lo de compaixão. Esse é o objetivo da
religião. Uma pessoa que está repleta de Amor e
compaixão compreendeu os verdadeiros princípios da
religião.

VIVER O AMOR

O amor real é vivido quando não existem condições. Ao
existir condição, existirá força. Mas aonde existe
amor, nada pode ser forçado. Condições existem apenas
onde há divisão. Força é usada onde há dualidade, a
idéia de 'eu' e 'você'. Você usa a força por perceber
o outro como sendo diferente de você. Mas força não
pode ser aplicada quando só existe Um. A própria idéia
de força desaparece neste estado. Então, você somente
é. A Força Universal corre através de você, você se
torna uma passagem aberta. Você deixa a Consciência
Suprema tomar conta de você. Você remove os apegos
criados por você mesmo, deixando que a corrente do
Amor todo-penetrante passe pelo seu curso natural.

COMPAIXÃO

Uma pessoa compadecida não vê os erros dos outros.
Ela não vê as fraquezas das pessoas. Ela não faz
distinção entre as pessoas boas e más. Quando alguém
está repleto de Amor e compaixão, essa pessoa não pode
traçar uma linha entre países, fés e religiões. Ela
não tem ego. Assim, não há medo, cobiça ou paixão. Ela
simplesmente perdoa e esquece. Compaixão é como uma
passagem. Tudo passa por ela. Nada pode ficar ali,
porque onde há Amor genuíno e compaixão, não há apego.
Compaixão é Amor expressado em sua totalidade.


[Mata Amritanandamayi Devi]


Sem comentários: